Cientistas descobrem como controlar os açúcares no corpo

Processamento do amido

Enzimas intestinais responsáveis pelo processamento de alimentos ricos em amido podem ser ligadas e desligadas.

Isso poderá ajudar a controlar melhor os processos em pessoas com diabetes tipo 2, obesidade ou com outras disfunções metabólicas.

Essa possibilidade acaba de ser descoberta no laboratório do Dr. Mario Pinto, na Universidade Simon Fraser, no Canadá.

Produção da glicose

A descoberta deverá ajudar a desenvolver novos tratamentos para os diabéticos e para as pessoas propensas à obesidade.

E o que é mais importante, o grupo já desenvolveu inibidores capazes de regular cada uma das quatro enzimas digestoras do amido, conhecidas como alfa-glucosidases.

Três destas enzimas são responsáveis pela geração da glicose a partir do amido, cada uma atuando de forma diferente.

A quarta enzima decompõe a sacarose, também gerando glicose.

Digestão do amido

Ocasionalmente, uma ou mais dessas enzimas pode estar ausente, o que afeta o modo como a glicose é criada.

"Nós queríamos determinar se poderíamos controlar a liberação de glicose quando o amido é quebrado no corpo," conta o Dr. Pinto.

Em conjunto com o grupo do Dr. Bruce Hamaker, da Universidade Purdue (EUA), a equipe descobriu que os inibidores inibem as enzimas de forma seletiva, e controlam a hidrólise do amido.

Isso significa que pode ser possível fornecer as enzimas ausentes ou desenvolver novos amidos que sejam digeridos corretamente com as enzimas disponíveis.

"A questão toda é o controle, e como usar a informação molecular que temos para controlar essas enzimas", conclui o pesquisador.


Ver mais notícias sobre os temas:

Obesidade

Alimentação e Nutrição

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.