Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

10/06/2014

Crianças não ignoram os pais, elas têm "cegueira não-intencional"

Com informações da BBC
Crianças não ignoram os pais, elas têm
Segundo pesquisadores, a noção de percepção periférica nas crianças é menos desenvolvida do que nos adultos.[Imagem: BBC]

Não há pai ou mãe que não tenha, ao menos uma vez, sido ignorado por uma criança, que prefere continuar assistindo TV, jogando videogame ou brincando com o celular a acatar as ordens recebidas.

Contudo, mesmo sendo capaz de tirar qualquer um do sério, esse comportamento pode não ser proposital.

O "desligamento" das crianças pode estar relacionado ao desenvolvimento do cérebro, algo que os pesquisadores agora estão chamando de "cegueira não intencional".

O termo "cegueira" é usado nesse caso para identificar uma falta de percepção, especialmente quando algo foge do foco imediato de atenção dos pequenos.

"Pais e professores devem entender que, até quando focam em coisas simples, as crianças têm menor percepção do que está ao redor delas, em comparação com os adultos," diz a professora Nilli Lavie, do Instituto de Neurociência Cognitiva da Universidade College de Londres (Reino Unido).

"Uma criança tentando fechar o zíper do casaco enquanto cruza a rua, por exemplo, pode não ser capaz de prestar atenção no tráfego de automóveis, enquanto um adulto com plenas faculdades mentais não teria problema nenhum em exercer esses dois movimentos simultaneamente", acrescenta Lavie.

"Em resumo, a capacidade de percepção do que está fora do foco de atenção se desenvolve com a idade. Dessa forma, crianças menores têm maior risco de sofrer o que chamamos de 'cegueira não intencional'", conclui a cientista.

Experimento

A constatação de Lavie é baseada em um experimento que ela conduziu recentemente para testar os níveis de "cegueira não intencional" em crianças e adultos.

Ela pediu a mais de 200 visitantes do Museu de Ciência de Londres para escolher a linha mais longa de uma tela com sete exemplos diferentes.

Em uma das telas, um quadrado preto piscava e, em seguida, participantes tinham de responder se viram a figura.

Enquanto 90% dos adultos foram capazes de perceber a presença do quadrado durante praticamente todo o tempo, menos de 10% das crianças abaixo de 10 anos detectaram o objeto.

Já crianças de 11 a 14 anos demonstraram uma maior capacidade de percepção, enquanto essa aptidão diminuía à medida que a dificuldade da tarefa aumentava.

Vantagens

Mas há um lado positivo na cegueira não intencional.

Quem quer ser distraído por tudo e por todos? Certamente a falta de consciência periférica significa que podemos reter nosso foco e concentrar.

Psicólogos argumentam que todos temos uma capacidade limitada de atenção até certo nível, e quando executamos tarefas árduas, ignorar o que está à nossa volta é fundamental.


Ver mais notícias sobre os temas:

Concentração

Cuidados com a Família

Mente

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão