Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

06/01/2012

Estudo polêmico aponta declínio cerebral a partir dos 45 anos

Redação do Diário da Saúde

Declínio cognitivo

Um novo estudo realizado com 5,2 mil homens e 2,2 mil mulheres, entre 45 e 70 anos, contradiz as conclusões anteriores sobre o declínio cognitivo relacionado com a idade.

Os pesquisadores da Universidade College de Londres encontraram sinais de declínio nas funções do cérebro a partir dos 45 anos de idade, ainda que em níveis muito baixos.

Todos os estudos feitos até agora sugeriam que o declínio cognitivo só começaria depois dos 60 anos de idade.

O estudo, publicado na revista científica British Medical Journal, foi conduzido ao longo de dez anos, entre 1997 e 2007.

Crítica

Uma das críticas à metodologia do novo estudo é que todos os participantes eram funcionários públicos, ou seja, todos estavam sujeitos a situações similares do ponto de vista do exercício de suas funções cerebrais.

Os cientistas avaliaram a memória, o vocabulário e as habilidades cognitivas de percepção ou de compreensão.

Os resultados demonstraram uma piora na memória e na cognição visual e auditiva, mas não no vocabulário.

Como nos estudos anteriores, o declínio foi mais acentuado nas pessoas mais velhas, atingindo 9,6% dos homens e 7,4% das mulheres entre 65 e 70 anos.

Conclusões questionáveis

Embora os índices apresentados por pessoas na faixa dos 45 anos de idade seja muito menor (3,6% entre 45 e 50 anos) os cientistas afirmam que o dado é suficiente para concluir que a demência não é um problema exclusivo da velhice, e sim um processo que se desenrola ao longo de duas ou três décadas.

Paradoxalmente, o estudo não identificou demência em nenhum dos participantes, o que torna questionável essa associação proposta.

Embora a demência seja caracterizada por um forte declínio cognitivo, o estudo não comprova que uma queda nas funções cerebrais no nível observado, ao longo dos anos, leve à demência.

E, dados os mínimos resultados observados nas pessoas de meia-idade, é necessário evitar mais uma medicalização, em que as pessoas são induzidas a procurarem por "doenças" que não possuem ou por situações que não podem ser consideradas doenças.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cérebro

Memória

Neurociências

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?