Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

24/10/2014

Desvendados efeitos biológicos da luz azul

Redação do Diário da Saúde
Desvendados efeitos biológicos da luz azul
As células com melanopsina participam de funções não conscientes induzidas pela luz. [Imagem: UPHS/UPenn]

Inúmeros estudos têm mostrado que a luz azul pode definir o humor e influenciar importantes respostas biológicas no ser humano, incluindo o sono, a fadiga e todo o relógio biológico.

A influência é tão grande que mesmo pessoas totalmente cegas detectam a luz azul, com impactos mensuráveis sobre seus cérebros.

Agora, pesquisadores da Universidade da Pensilvânia (EUA) isolaram as diferentes respostas biológicas do olho humano à luz azul, revelando um mecanismo inesperado que mais se parece com um cabo de guerra pelo controle do olho e do organismo como um todo.

Melanopsina

O trabalho aborda as propriedades da melanopsina, uma proteína sensível à luz localizada no olho que estabelece nosso ritmo circadiano - o ciclo de dia e noite, também conhecido como relógio biológico - e a constrição normal da pupila frente a uma luz brilhante.

A luz entra no olho humano, criando uma imagem na retina. Há muito que se sabe que a imagem na retina é detectada por neurônios conhecidos como bastonetes e cones. Os bastonetes funcionam em níveis de pouca luz e nos permitem ver à noite, enquanto os cones são mais importantes para a visão diurna.

Recentemente, no entanto, foi identificada uma outra classe de células da retina que também detectam a luz. Estas células são conhecidas como células ganglionares intrinsecamente fotossensíveis, e contêm a proteína melanopsina. A melanopsina é sensível à luz em comprimentos de onda intermediários.

A equipe mediu a resposta da pupila à estimulação da melanopsina e das células cones, sensíveis às ondas curtas (cones S), as outras células sensíveis à luz azul que operam durante o dia.

Surpreendentemente, eles descobriram que a melanopsina e os cones S têm efeitos opostos e competem pelo controle da pupila frente à luz azul.

Dor e humor

Parece que as células com melanopsina participam de funções induzidas pela luz mas não conscientes, como a definição de nosso relógio biológico (circadiano), e também contribuem para o controle automático da pupila.

O novo estudo permitiu isolar e estudar as propriedades da melanopsina, separando-a das células cones.

"Isto é importante porque acreditamos que a melanopsina pode estar envolvida em condições clínicas," disse o Dr. Geoffrey Aguirre, membro da equipe.

"Por exemplo, parece que o excesso de estimulação da melanopsina produz a sensação de dor quando a luz é muito brilhante, e não ter uma estimulação suficiente da melanopsina pode ser parte do transtorno afetivo sazonal, quando as pessoas ficam deprimidas quando não têm uma exposição suficiente à luz.

"Tendo agora isolado as respostas da melanopsina e dos cones à luz azul, podemos estudar como o olho está envolvido nestes distúrbios," conclui o pesquisador.


Ver mais notícias sobre os temas:

Olhos e Visão

Fotônica

Sono

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão