Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

02/10/2013

Diamantes dispensam cirurgia para restaurar ossos e implantes

Redação do Diário da Saúde

Diamantes em uma escala muito, muito menor do que os utilizados em joias, podem ser usados para promover o crescimento ósseo, combater um dos piores efeitos colaterais da quimioterapia e aumentar a durabilidade dos implantes dentários.

Os nanodiamantes, que são criados com técnicas de nanotecnologia ou como subprodutos das operações de mineração e lapidação convencionais, têm cerca de 4 a 5 nanômetros de diâmetro, com o formato de pequenas bolas de futebol.

Reparação óssea

Durante as operações de reparação óssea, que são normalmente dispendiosas e demoradas, os médicos inserem uma esponja para administrar localmente proteínas que promovem o crescimento do osso - como a proteína morfogenética do osso.

Laura Moore e seus colegas da Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA) e do Instituto Nanocarbono (Japão) descobriram que usar nanodiamantes para inserir estas proteínas após a cirurgia é mais eficaz do que as esponjas usadas hoje.

Diamantes dispensam cirurgia para restaurar ossos e implantes
Os nanodiamantes podem dispensar a cirurgia, sendo administrados de forma não invasiva, por uma injeção ou até mesmo por um enxaguante bucal quando o problema ocorre na mandíbula. [Imagem: UCLA School of Dentistry]

Os testes mostraram que os nanodiamantes, que são invisíveis ao olho humano, ligam-se rapidamente tanto à proteína morfogenética óssea, quanto ao fator de crescimento de fibroblastos, o que demonstra que os fármacos podem ser aplicados simultaneamente usando um único veículo de aplicação.

A superfície única dos diamantes permite que as proteínas sejam liberadas de forma mais lenta, o que permite que a área afetada seja tratada durante um longo período após a cirurgia.

Na verdade, os nanodiamantes podem dispensar a cirurgia, sendo administrados de forma não invasiva, por uma injeção ou até mesmo por um enxaguante bucal quando o problema ocorre na mandíbula.

Osteonecrose

Os médicos querem agora usar os nanodiamantes para melhorar o crescimento ósseo e para combater a osteonecrose, uma doença potencialmente debilitante na qual os ossos quebram devido à redução do fluxo sanguíneo.

Quando a osteonecrose afeta a mandíbula, ela pode impedir que as pessoas comam e falem; quando ela ocorre perto das articulações, pode restringir ou impedir o movimento.

A perda de massa óssea também ocorre ao lado de implantes, como articulações ou dentes protéticos, o que deixa os implantes soltos.

A osteonecrose é um efeito colateral importante dos tratamentos de quimioterapia, aplicados a pacientes com câncer.


Ver mais notícias sobre os temas:

Ossos e Articulações

Nanotecnologia

Implantes

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento