Digitalização da íris revoluciona prótese ocular

Digitalização da íris revoluciona prótese ocular
Após perda do olho esquerdo, paciente reconquistou sua aparência com a tecnologia de prótese ocular com íris digital.
[Imagem: Agência USP]

Olho digital

Uma prótese ocular de íris digital que vem sendo desenvolvida na Faculdade de Odontologia da USP deverá aumentar a qualidade de vida de pacientes que perderam o olho devido a traumas ou patologias na região ocular.

A inovação é fruto do trabalho dos pesquisadores Reinaldo Brito e Dias e Ricardo Cesar dos Reis.

A prótese é confeccionada a partir de uma fotografia digital da íris, substituindo a pintura manual normalmente utilizada. "A íris digital inovou o mercado mundial de próteses oculares", afirma o professor Dias.

"A pintura é um processo manual, que dificilmente reproduzirá com fidelidade a íris de um olho sadio - diferente da fotografia digital", garante Brito.

Além disso, o processo de confecção que utiliza a foto digital é capaz de capturar e reproduzir com alta precisão todas as nuances da íris do olho do paciente.

Fotografia do olho

A nova prótese, patenteada pela Agência USP de Inovação, surgiu de uma ideia relativamente simples: fotografar o olho sadio do paciente e transpor a imagem digital para a prótese ocular.

Contudo, as dificuldades em obter uma íris protética em que a imagem digital não se alterasse com a ação dos agentes químicos e físicos durante a confecção da prótese foram os grandes entraves para o desenvolvimento da tecnologia.

Foram necessários três anos de pesquisa para viabilizar o método de confecção da prótese ocular de íris digital no nível de fidelidade atual.

"O processo de confecção da íris digital consiste em reproduzir fotograficamente a íris do olho são na prótese. Dessa forma, tem-se uma prótese muito mais estética, o que interfere diretamente na aceitação e no bem-estar psicossocial do paciente", afirma Reis.

Outra vantagem da prótese ocular obtida pelo processo de íris digital é a sua longevidade. Segundo Dias, a prótese desenvolvida na FO possui uma durabilidade maior que a obtida com pintura.

Prótese de olho

Para Reis, a inovação desenvolvida e patenteada pela USP é, acima de tudo, de grande utilidade pública, pois permite produzir uma prótese muito similar ao olho perdido. "É um processo mais dinâmico que otimiza o atendimento, supre melhor a demanda, além de representar um menor custo de produção", afirma.

Entre os objetivos da pesquisa está o desenvolvimento de um banco de fotografias de íris digitais, visando criar próteses muito similares ao olho perdido do paciente em um curto espaço de tempo.

"O objetivo deste banco é fornecer um conjunto de íris que possam atender de maneira imediata a demanda de um paciente que precise de uma prótese para o dia seguinte", exemplifica Dias.

Atualmente, o Ambulatório da Disciplina de Prótese Buco Maxilo Facial da Faculdade de Odontologia (FO) da USP atende cerca de 160 pacientes para controle do Tratamento Reabilitador com esta tecnologia de prótese.


Ver mais notícias sobre os temas:

Olhos e Visão

Próteses

Robótica

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.