Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

21/03/2013

Doença de Chagas atinge países desenvolvidos

Com informações da Agência Fapesp

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que pelo menos 10 milhões de pessoas no mundo estejam infectadas pela doença de Chagas, que em 2008 matou mais de 10 mil pessoas.

A grande maioria dos infectados ou em risco de desenvolver a doença vive em países latino-americanos.

Contudo, conforme o Diário da Saúde anunciou recentemente, a doenças de Chagas agora já está atingindo os países desenvolvidos.

Os dados já indicavam a presença da doença nos EUA, mas agora o alerta se estendeu para várias outras áreas.

Segundo Tsutomu Takeuchi, diretor do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de Nagasaki, a doença de Chagas é uma realidade que começa a desafiar o setor de saúde japonês.

"Fatores como a estagnação econômica e a repressão política resultaram no significativo fluxo de pessoas de 17 países latino-americanos endêmicos para a doença de Chagas rumo a países desenvolvidos. Por causa dessa migração, a doença de Chagas tem se tornado uma ameaça à saúde em nível global", disse.

Na Austrália, segundo Takeuchi, estima-se que 3,8% dos cerca de 150 mil imigrantes que chegaram país em 2006, provenientes de países endêmicos para o Tripanossoma cruzi (o parasita causador da doença), estavam infectados com o protozoário.

"A Espanha, em 2008, acomodou cerca de 1,68 milhão de imigrantes, legais e ilegais, de países latino-americanos endêmicos para a doença de Chagas. Entre esses imigrantes, estima-se que 5,2% estavam infectados com o T. cruzi e 17,4 mil desenvolveram sintomas da doença", disse.

De acordo com Takeuchi, na Espanha a maioria desses imigrantes estava na cidade de Barcelona. "De 2007 a 2009, de 766 pacientes de um centro de saúde na cidade, 22 foram diagnosticados com infecção por T. cruzi, com uma taxa de prevalência de 2,87%. Entre os infectados, 21 eram da Bolívia, com taxa de prevalência para os imigrantes do país de 16,5%", disse.

O problema também atinge os Estados Unidos, país que recebe grandes contingentes de latino-americanos a cada ano. "Nos Estados Unidos, em 2005 o número de imigrantes latino-americanos residentes era de 22,8 milhões, com estimados 300 mil infectados por T. cruzi. As maiores prevalências foram demonstradas em imigrantes da Bolívia, com 6,75%, seguida pela Argentina, com 4,13%", disse Takeuchi.

"No Japão, em 2010 havia cerca de 300 mil imigrantes que vieram de países da América Latina, dos quais a grande maioria, 76,6%, era do Brasil. Infelizmente, no Japão testes em doações de sangue e verificação sorológica para infecção por T. cruzi não têm sido extensivamente adotados da mesma forma que em países ocidentais", disse.

O pesquisador contou que o Departamento de Medicina Tropical e Parasitologia da Escola de Medicina da Universidade Keio tem sido o centro de diagnóstico sorológico e vigilância preliminar para a doença de Chagas.

"Os números ainda são pequenos, mas significativos. Esse departamento analisou 42 casos suspeitos e confirmou que 16 deles eram positivos para a doença. Cinco desenvolveram sintomas cardíacos associados ao Chagas", disse.

Takeuchi destacou que, além do desconhecimento sobre a doença, outro problema importante da presença de Chagas no Japão é a pouca disponibilidade de medicamentos para o tratamento aos infectados, que não são produzidos no país.

"A doença de Chagas tem sido ignorada no Japão, assim como em outros países desenvolvidos, o que traz uma série de estigmas e mal-entendidos contra imigrantes latino-americanos. Por causa do grande número de pessoas nessa população sem seguro-saúde, da dificuldade de comunicação, bem como pela ausência de medidas preventivas contra a infecção por T. Cruzi, uma série de preconceitos surgiu em comunidades japonesas contra os portadores da doença, levando à possibilidade de discriminação social", disse.

"Por conta disso, é essencial que sejam adotadas medidas urgentes para melhorar a compreensão e o tratamento médico da doença de Chagas e de outras doenças negligenciadas no Japão e em outros países desenvolvidos", destacou Takeuchi.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Desenvolvimento de Medicamentos

Exames

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?