É feio apontar o dedo? Mas é educativo

É feio apontar o dedo? Talvez não...
A faixa etária mais jovem - de três a cinco anos de idade - só foi influenciada pelo dedo apontando.
[Imagem: Sophie Gengembre Anderson/Wikimedia.org]

Apontar o dedo é educativo

O velho ditado de que "É feio apontar o dedo", frequentemente dito às crianças, precisa ser repensado.

Psicólogos da Universidade de Lincoln (Reino Unido) constataram que a atenção das crianças em idade pré-escolar e nos primeiros anos escolares é fortemente influenciada pela direção de um dedo indicador apontando para algo.

Outras pistas direcionais, como setas ou imagens de olhos dirigidos para o local a ser indicado, não têm a mesma eficácia, ou mesmo nenhuma eficácia, dependendo da idade da criança.

Isto contesta teorias anteriores de que a capacidade de dirigir a atenção visual para onde os outros estão olhando se baseia em um módulo cerebral inato. Pelos resultados obtidos pela equipe, essa capacidade cognitiva precisa ser aprendida, desenvolvendo-se com a idade.

O rumo que o dedo aponta

Os pesquisadores usaram uma tecnologia de rastreamento ocular para estudar as respostas das crianças.

A faixa etária mais jovem - de três a cinco anos de idade - só foi influenciada pelo dedo apontando, com as crianças tendendo a olhar na direção que ele apontava. Mas essas crianças não reagiram às indicações com setas ou outras dicas direcionais.

As crianças mais velhas demonstraram uma capacidade mais forte de seguir corretamente outras referências direcionais.

"As crianças têm de aprender a ligar o que elas veem no mundo ao seu redor com a direção de informações e eventos interessantes. Uma das primeiras 'pistas' para a atenção que as crianças aprendem pode ser a direção para onde o dedo indicador de um adulto está apontando," disse o professor Tim Hodgson, coordenador do estudo, publicado na revista Experimental Brain Research.


Ver mais notícias sobre os temas:

Educação

Comportamento

Mente

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.