Efeitos do Tamiflu continuam incertos

Dois anos após a gigante farmacêutica Roche prometer à revista científica British Medical Journal (BMJ) que liberaria dados dos testes com o Tamiflu para uma avaliação independente, a segurança e a eficácia desse medicamento anti-influenza continua incerto.

Um novo relatório, lançado pela Colaboração Cochrane, afirma que a recusa da Roche em fornecer acesso a todos os seus dados deixa sem solução questões críticas sobre a eficácia da droga.

Uma investigação feita pelo BMJ, publicado para coincidir com o relatório divulgado agora pela Cochrane, também levanta sérias preocupações sobre o acesso a dados sobre medicamentos, o uso dos chamados escritores-fantasma (ghost writers) nos testes de medicamentos, e sobre o processo de aprovação de medicamentos.

Enquanto isso, o Tamiflu se tornou o tratamento básico para a influenza. Ele também entrou para a lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde, e as alegações da Roche [sobre a eficácia do Tamiflu] continuam sendo apoiadas por agências de saúde influentes.

Os pesquisadores da Cochrane queriam testar a alegação da Roche de que o Tamiflu previne complicações e reduz o número de pessoas que exigem tratamento hospitalar.

Mas a investigação foi tolhida pela recusa da Roche em fornecer todos os dados de seus estudos clínicos para análise.

A equipe obteve alguns relatórios de estudos clínicos da Agência Europeia de Medicamentos (EMA: European Medicines Agency), mas encontrou inconsistências com os relatórios publicados e uma possível sub-publicação de efeitos colaterais.

Quando questionada anteriormente pelo BMJ, a Roche também admitiu que alguns dos artigos publicados tinham usado escritores-fantasma.

A investigação do BMJ revelou como diferentes agentes regulamentadores abordam os dados que lhes são submetidos, levando a mensagens conflitantes sobre sua eficácia.

Por exemplo, a EMA liberou uma parte dos relatórios de estudos relativos aos testes clínicos do Tamiflu para a Cochrane, mas o órgão admite que não solicitou o restante dos dados ao fabricante, embora ela seja legalmente autorizada a fazer isto.

Na ocasião, a EMA afirmou ao BMJ que planeja começar a publicar relatórios para todas as drogas submetidas para aprovação nos próximos anos.

"Nós esperamos muito que a EMA de fato adote essa providência importante, tornando públicos os estudos completos. Mas nós continuamos muito longe de ter um histórico completo dos testes para todas as drogas em uso clínico. A segurança pública e o uso adequado do dinheiro público exigem que nós não admitamos nada menos do que isso," disse a Dra. Fiona Godlee, editora do BMJ.

Enquanto isso, a FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos, que provavelmente revisou o programa de testes do Tamiflu em mais detalhes do que nenhum outro fora da Roche, optou por não revisar o maior teste clínico do Tamiflu já feito quando analisou a droga com vistas à sua aprovação.

A agência norte-americana afirmou que o "Tamiflu parece não prevenir tais complicações [infecções bacterianas graves]."

Entretanto, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDCs) dos Estados Unidos continuam a citar testes publicados do Tamiflu, alegando uma redução no risco de complicações da influenza, mesmo depois que a Roche admitiu que alguns desses testes foram escritos por escritores-fantasmas [um escritor cujo trabalho é comprado].

"As discrepâncias entre as conclusões tiradas por diferentes órgãos de regulamentação ao redor do mundo salientam a situação absurda em que nos encontramos. Em um mundo globalizado, os reguladores devem cooperar e congregar seus recursos limitados. De outra forma, nós continuaremos a desperdiçar dinheiro e colocar em risco a saúde das pessoas usando drogas que não funcionam," diz a Dra Godlee.

A investigação também levantou questões sobre os efeitos clínicos do Tamiflu.

Depois de uma avaliação cuidadosa dos dados dos testes, o grupo Cochrane afirma que o Tamiflu parece afetar a produção de anticorpos - uma alegação que a Roche não aceita.

Isto é importante, afirmam os pesquisadores da Cochrane, porque a vacinação contra a influenza depende de uma resposta de anticorpos para ser efetiva.

Mas, quando questionada pela Cochrane, a Roche se recusou a explicar como a droga funciona.

Desta forma, o grupo da Cochrane afirma que, "até que se saiba mais sobre o modo de ação dos inibidores de neuramidase, os profissionais de saúde, os pacientes e outros tomadores de decisão precisam refletir sobre as descobertas desta revisão antes de tomar qualquer decisão sobre o uso dessa droga."

O grupo da Cochrane também argumenta que a capacidade do Tamiflu para evitar a disseminação da influenza não foi demonstrada nos testes.

Ainda assim, esta é uma das principais razões pelas quais os governos ao redor do mundo têm gasto bilhões de dólares fazendo estoques de Tamiflu para o caso de uma pandemia.

A Roche afirma que forneceu à equipe Cochrane informações suficientes para a realização de sua avaliação, mas a equipe Cochrane afirma que isto não ocorreu.

"No exemplar de Dezembro de 2009 do BMJ, a Roche prometeu relatórios completos para quaisquer pesquisadores legítimos. Eles não forneceram um único relatório à Cochrane, apesar de nossas repetidas solicitações," afirma o Dr. Peter Doshi, da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Ética

Epidemias

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.