Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

25/01/2016

Enfrentar o sofrimento ajuda os pacientes e os próprios médicos

Redação do Diário da Saúde
Enfrentar o sofrimento ajuda os pacientes e os próprios médicos
cursos que ensinam empatia a médicos, embora já haja profissionais capazes até de receitar poesias para os pacientes.[Imagem: Hospital Albert Einstein]

Enfrentar o sofrimento

Quando se trata do trabalho do médico, aliviar o sofrimento não é uma questão que se restrinja ao receituário de medicamentos ou estipular tratamentos.

A questão envolve não apenas o bem-estar do paciente, mas a própria satisfação profissional do médico, que pode encontrar mais significado em seu trabalho conforme percebe que sua ação está impactando positivamente a vida do paciente.

Quando os pacientes sofrem, os médicos tendem a querer consertar as coisas e, quando não conseguem, muitos profissionais ressentem-se emocionalmente, sobretudo aqueles menos afeitos a situações que requerem tratamentos paliativos, por exemplo.

"Os médicos podem ter um papel fundamental na abordagem do sofrimento se puderem expandir a forma como trabalham com os pacientes," escrevem Ronald Epstein (Universidade de Rochester) e Anthony Back (Universidade de Washington).

"Algumas pessoas podem fazer isso instintivamente, mas a maioria dos médicos precisa de treinamento em como responder ao sofrimento - ainda hoje, este tipo de instrução está dolorosamente faltando," acrescentam.

Meditação e inteligência emocional

Back e Epstein fizeram uma revisão da literatura para saber como os médicos vêm abordando o sofrimento. E, apesar da onipresença do sofrimento, eles descobriram poucos artigos na literatura médica sobre o assunto, a maioria publicada em revistas de pequena circulação.

Para eles, há pelo menos duas abordagens clínicas do sofrimento para complementar o tradicional "diagnosticar e tratar".

A primeira abordagem consiste em "voltar-se para o sofrimento", o que significa, em primeiro lugar, reconhecê-lo. Isto exige que os médicos perguntem aos seus pacientes sobre a experiência de sofrimento deles, através de questões simples como "Qual é a pior parte disso para você?" Às vezes os médicos se sentem impotentes em face do sofrimento, e seu próprio desconforto nessas situações pode ser um indicador útil de que é necessário adotar essa abordagem.

A segunda abordagem consiste em "reorientar o foco" para ajudar os pacientes a se reconectarem com o que é importante e significativo em suas vidas, especialmente quando o sofrimento e as suas causas subjacentes não podem ser eliminados. Às vezes isso exige que os médicos sejam solidários com os esforços do paciente para se sentir como um todo e se tornar mais inteiro e mais completo.

Nas duas abordagens, recomendam Back e Epstein, há várias terapias que os médicos podem se valer para ajudar seus pacientes e ajudar a si mesmos, incluindo a meditação e técnicas de inteligência emocional e de autocontrole.


Ver mais notícias sobre os temas:

Atendimento Médico-Hospitalar

Emoções

Ética

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?