Envelhecimento humano segue mesmo padrão dos demais primatas

Vida longa

Por muito tempo se pensou que o homem, com sua expectativa de vida relativamente longa e acesso a vantagens como avanços na medicina, envelhecesse mais lentamente do que os outros animais.

Estudos comparativos com camundongos, ratos e outras criaturas confirmaram a ideia.

Há exceções, como as longevas tartarugas, mas o homem se destacava como o mais durador dos primatas.

Mas uma nova pesquisa indica que o ritmo de envelhecimento humano não é único.

Pós-reprodução

A nova pesquisa comparou os padrões de envelhecimento do homem com os de outros primatas, como chimpanzés e gorilas.

"Humanos vivem por muitos anos além de seu auge reprodutivo. Se fôssemos como os outros mamíferos, começaríamos a morrer rapidamente assim que atingíssemos a meia-idade, mas isso não ocorre", disse Anne Bronikowski, da Universidade do Estado do Iowa, um dos autores do estudo.

"Há esse argumento antigo na literatura científica de que o envelhecimento humano seria único, mas não tínhamos dados de primatas selvagens, além de chimpanzés, até recentemente", disse Susan Alberts, da Universidade Duke, outra autora do trabalho.

A pesquisa se centrou não no declínio inevitável na saúde e na fertilidade que chega com a idade avançada, mas no risco de morte.

Primatas forever

Quando as taxas de envelhecimento dos humanos - aumento no risco de mortalidade com a idade - foram comparadas com dados de quase 3 mil outros primatas, elas se mostraram absolutamente dentro do espectro dos primatas.

"Os padrões humanos não são notadamente diferentes, mesmo levando em conta que os primatas selvagens experimentam fontes de mortalidade das quais o homem pode estar protegido", destacaram os autores.

Os resultados também confirmaram um padrão observado em humanos e no reino animal: na média, as fêmeas vivem mais do que os machos.

Dos primatas analisados, excluindo o homem, a diferença de mortalidade entre machos e fêmeas se mostrou menor no muriqui-do-norte. Na espécie, tanto o nível de agressão às fêmeas como a competição entre os machos na hora de procriar foram os menores observados.

Animais pesquisados

Os pesquisadores combinaram dados de estudos de longo prazo de sete espécies de primatas selvagens: o muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus), encontrado no Brasil; o macaco-prego-de-cara-branca (Cebus capucinus), da Costa Rica; o cinocéfalo (Papio cynocephalus), um tipo de babuíno, e o macaco-azul (Cercopithecus mitis), ambos do Quênia; chimpanzés (Pan troglodytes) da Tanzânia; gorilas (Gorilla beringei) da Ruanda; e o lêmur sifaka (Propithecus verreauxi), de Madagascar.

Os resultados foram publicados hoje na revista Science.


Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Terceira Idade

Qualidade de Vida

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.