Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

19/11/2012

CFM aprova avaliação da formação de médicos

Com informações da Agência Brasil

Prova para médicos

O Conselho Federal de Medicina (CFM) declarou apoiar iniciativas, como a do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), de submeter os formandos de medicina a provas antes da concessão do registro profissional.

O teste, aplicado há oito edições, passou a ser obrigatório este ano. Parte dos estudantes de medicina, que discordam da exigência e do modelo da prova, boicotaram o exame, realizado na semana passada, marcando a letra "b" em todas as questões.

"Enquanto não temos uma lei para implantar outro tipo de avaliação, o conselho federal vai apoiar essas iniciativas. Não só em São Paulo, mas também em outros estados que queiram fazer. Qualquer medida que busque a qualidade da formação é bem-vinda", disse Desiré Carlos Callegari, conselheiro e primeiro secretário do CFM.

Ele disse que, por enquanto, a instância federal acompanha e estuda os resultados desses exames.

Exame Nacional de Proficiência em Medicina

O Projeto de Lei do Senado (PLS) 217/2004, de autoria do senador Tião Viana (PT-AC), propõe a instituição do Exame Nacional de Proficiência em Medicina como requisito para o exercício da profissão.

Com a lei, os conselhos poderão negar o registro aos formandos que não atinjam o perfil exigido. Atualmente, as entidades, apesar de poder exigir a participação no exame, não podem negar o registro caso o estudante não acerte uma quantidade mínima de questões.

Callegari destacou que o modelo de avaliação a ser defendido pelo CFM não foi definido pelo plenário do conselho, mas que o formato de um exame progressivo conta com muitos adeptos.

"Pensamos que a melhor forma de avaliar, tanto a universidade como o aluno, seria uma prova no segundo, no quarto e no sexto ano de faculdade. As deficiências seriam corrigidas progressivamente", explicou.

Além disso, ele ressalta a necessidade de testes cognitivos e práticos. Essa foi uma das críticas feitas pelos estudantes submetidos ao exame deste ano.

Qualidade dos cursos de medicina

Sobre a qualidade dos cursos de medicina no país, o conselheiro acredita que houve uma abertura indiscriminada de faculdades, o que está prejudicando a formação.

"Não temos professores e hospitais escola suficientes. Não tem como pensar um curso de medicina sem um hospital de referência", avalia.

Ele destaca ainda que o conselho está preocupado com o aumento do número de denúncias e de processos relacionados à prática médica. "Isso mostra que existe uma deficiência", declarou.

De acordo com o CFM, o Brasil tem 197 escolas médicas, ficando atrás, apenas, da Índia, com 272 cursos e uma população de 1,2 bilhão de pessoas. Desde 2003, foi autorizado o funcionamento de 69 escolas de medicina. Desse total, 78% são privadas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Educação

Atendimento Médico-Hospitalar

Ética

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?