CFM aprova avaliação da formação de médicos

Prova para médicos

O Conselho Federal de Medicina (CFM) declarou apoiar iniciativas, como a do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), de submeter os formandos de medicina a provas antes da concessão do registro profissional.

O teste, aplicado há oito edições, passou a ser obrigatório este ano. Parte dos estudantes de medicina, que discordam da exigência e do modelo da prova, boicotaram o exame, realizado na semana passada, marcando a letra "b" em todas as questões.

"Enquanto não temos uma lei para implantar outro tipo de avaliação, o conselho federal vai apoiar essas iniciativas. Não só em São Paulo, mas também em outros estados que queiram fazer. Qualquer medida que busque a qualidade da formação é bem-vinda", disse Desiré Carlos Callegari, conselheiro e primeiro secretário do CFM.

Ele disse que, por enquanto, a instância federal acompanha e estuda os resultados desses exames.

Exame Nacional de Proficiência em Medicina

O Projeto de Lei do Senado (PLS) 217/2004, de autoria do senador Tião Viana (PT-AC), propõe a instituição do Exame Nacional de Proficiência em Medicina como requisito para o exercício da profissão.

Com a lei, os conselhos poderão negar o registro aos formandos que não atinjam o perfil exigido. Atualmente, as entidades, apesar de poder exigir a participação no exame, não podem negar o registro caso o estudante não acerte uma quantidade mínima de questões.

Callegari destacou que o modelo de avaliação a ser defendido pelo CFM não foi definido pelo plenário do conselho, mas que o formato de um exame progressivo conta com muitos adeptos.

"Pensamos que a melhor forma de avaliar, tanto a universidade como o aluno, seria uma prova no segundo, no quarto e no sexto ano de faculdade. As deficiências seriam corrigidas progressivamente", explicou.

Além disso, ele ressalta a necessidade de testes cognitivos e práticos. Essa foi uma das críticas feitas pelos estudantes submetidos ao exame deste ano.

Qualidade dos cursos de medicina

Sobre a qualidade dos cursos de medicina no país, o conselheiro acredita que houve uma abertura indiscriminada de faculdades, o que está prejudicando a formação.

"Não temos professores e hospitais escola suficientes. Não tem como pensar um curso de medicina sem um hospital de referência", avalia.

Ele destaca ainda que o conselho está preocupado com o aumento do número de denúncias e de processos relacionados à prática médica. "Isso mostra que existe uma deficiência", declarou.

De acordo com o CFM, o Brasil tem 197 escolas médicas, ficando atrás, apenas, da Índia, com 272 cursos e uma população de 1,2 bilhão de pessoas. Desde 2003, foi autorizado o funcionamento de 69 escolas de medicina. Desse total, 78% são privadas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Educação

Atendimento Médico-Hospitalar

Ética

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.