Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

10/04/2012

Cientistas alertam para excesso de diagnósticos de hiperatividade

Redação do Diário da Saúde
Cientistas alertam para excesso de diagnósticos de hiperatividade
O gênero do profissional de saúde influencia nos resultados: terapeutas mulheres dão mais diagnósticos de hiperatividade para meninos, e terapeutas homens dão mais diagnósticos de hiperatividade para meninas. [Imagem: RUB-Pressestelle/Babette Sponheuer]

Hiperdiagnóstico

O que especialistas e o público já suspeitavam há muito tempo agora ganhou o suporte de um conjunto representativo de dados médicos.

O chamado Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH, ou ADHD na sigla em inglês), está sofrendo de diagnóstico excessivo.

O estudo mostrou que psiquiatras e psicoterapeutas têm dado diagnósticos de hiperatividade baseados em heurística, em regras pouco claras, em vez de aderirem a critérios reconhecidos.

Segundo Silvia Schneider e Jürgen Margraf (Universidade de Ruhr) e Katrin Bruchmüller (Universidade de Basel), apenas uma em cada quatro crianças e adolescentes diagnosticados com hiperatividade realmente apresentam um comportamento que caracteriza a condição.

"Doença" de menino e preconceito do terapeuta

Os garotos, em particular, têm sido muito mais diagnosticados com TDAH com que as meninas - os pesquisadores identificaram vários casos em que um menino e uma menina tinham exatamente os mesmos comportamentos típicos nas avaliações rigorosas, mas o menino recebeu um diagnóstico de hiperatividade, e a menina não.

Segundo os pesquisadores, os psiquiatras estão seguindo "protótipos" de comportamento hiperativo.

E esse protótipo é masculino e com sintomas como agitação motora, falta de concentração e impulsividade.

Um garoto com esses sintomas tem alta probabilidade de ser diagnosticado com hiperatividade mesmo quando não preenche o conjunto completo de regras de diagnóstico - mas as meninas não.

O gênero do profissional de saúde também influencia nos resultados: terapeutas mulheres dão mais diagnósticos de hiperatividade para meninos, e terapeutas homens dão mais diagnósticos de hiperatividade para meninas.

Doenças inventadas

Segundo os pesquisadores, os índices de diagnóstico de hiperatividade estão apresentando "tendências inflacionárias" nas últimas duas décadas - na Alemanha, onde o estudo foi realizado, o número de crianças avaliadas com a condição subiu 381% entre 1989 e 2001.

Também no Brasil, estudos indicam que a medicalização de crianças está transformando modo de ser em doença.

A hiperatividade é sempre citada nos estudos que levantam o problema da medicalização, a taxação de comportamentos como doenças.

Os problemas medicalizados já consomem mais recursos do que o câncer nos sistemas de saúde.


Ver mais notícias sobre os temas:

Diagnósticos

Comportamento

Concentração

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?