Fumaça da queima de canaviais causa danos aos olhos

Fumaça da queima de canaviais causa danos aos olhos
O corte da cana é considerado um dos piores empregos do mundo, ao lado dos trabalhadores de carvoarias.
[Imagem: Ag.USP]

Olhos desprotegidos

A queima de plantações de cana-de-açúcar prejudica a superfície dos olhos de cortadores, conforme constata a pesquisadora Monique Matsuda.

"Nesse período, estas pessoas têm a superfície ocular menos protegida contra agentes externos. Elas apresentam mais sintomas de irritação ocular e podem estar mais propensas a infecções," diz a pesquisadora da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

Proteções dos olhos

A pesquisadora explica que a queimada emite material particulado que interfere no filme lacrimal e no tecido epitelial que recobre a superfície ocular.

O filme lacrimal é a camada de lágrima que cobre o olho e o protege de objetos estranhos e de trauma; já o tecido epitelial consiste numa camada de células que recobre a parte externa do olho e sobre o qual "descansa" o filme lacrimal.

O material emitido também afeta as células produtoras de muco, que estão presentes na conjuntiva, membrana mucosa do olho. "As células produtoras de muco são importantes porque promovem a limpeza e participam da lubrificação ocular, por reter a água para que o olho não fique ressecado", comenta Monique

Queima dos canaviais

No estudo, observou-se uma diminuição do muco ocular nos cortadores durante a queima de canaviais, que dura de maio a novembro.

A diminuição do muco, por sua vez, interfere na estabilidade do filme lacrimal, importante por promover a nutrição, oxigenação, proteção e a lubrificação dos olhos. Com menos muco e o filme lacrimal instável, os olhos dos trabalhadores estão mais expostos aos efeitos dos agentes externos, como poluentes atmosféricos.

Além dos riscos a que eles estão propensos a curto prazo, a pesquisadora destaca os possíveis efeitos depois de muitas exposições a queimadas:

"Existe a possibilidade de que a exposição seja um fator agravante para o surgimento de doenças oculares no futuro. Alguns estudos realizados em outros países associam a exposição à queima da biomassa ao aumento na prevalência de cataratas e tumores oculares," explica.

Efeitos sobre a população

O estudo avaliou 22 cortadores de cana que moram em Tatuí (SP) e trabalham em canavial do noroeste paulista próximo ao município e 19 voluntários da cidade. Monique ressalta que a população que mora próximo das plantações também pode ser afetada.

"Todo material particulado proveniente da queima continua por dias, semanas e meses no local, e podem ser transportados por quilômetros de distância, chegando até as cidades vizinhas", diz a pesquisadora.

E acrescenta: "O intenso tráfego de veículos que transportam cana e seus derivados também são agentes poluidores e afetam a qualidade do ar dessas regiões."

Segundo a pesquisadora, já havia evidências anteriores a seu trabalho: "Durante as queimadas, há registros que apontam um aumento do número de pessoas que moram perto das plantações que procuram atendimento ambulatorial por causa de complicações respiratórias."

A pesquisadora comenta que seus estudos continuarão e que o próximo passo com o seu grupo de pesquisa será analisar os mecanismos oculares das alterações encontradas nos cortadores de cana. Isso possibilitará a sugestão de medidas de proteção e segurança aos trabalhadores.


Ver mais notícias sobre os temas:

Olhos e Visão

Trabalho e Emprego

Poluição

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.