HC da Unicamp recebe gama-câmara para medicina nuclear

HC da Unicamp recebe equipamento gama-câmara para medicina nuclear
A interface da gama-câmara com os computadores surgiu nos anos 70 e evoluiu nos últimos quinze anos, para dar origem à gama-câmara digital, hoje presente em hospitais modernos, como o HC da Unicamp.
[Imagem: HC Unicamp]

Câmara de cintilação

O HC da Unicamp colocou em funcionamento um novo equipamento para medicina nuclear, denominado câmara de cintilação, também conhecido como gama-câmara.

Segundo o diretor do Serviço de Medicina Nuclear do HC, professor Celso Dário Ramos, o aparelho é utilizado em múltiplas especialidades.

Algumas das doenças diagnosticadas pela câmara são: cardíacas, como a isquemia miocárdica; doenças cerebrais, como demências e epilepsia; oncológicas, como metástases ósseas, lesões hepáticas e câncer de tireoide; doenças ortopédicas, como por exemplo, infecções ósseas; e ainda hipertireoidismo, obstruções e cicatrizes dos rins, refluxo gastroesofágico e sangramento intestinal.

Elemento radioativo

O exame realizado pela gama-câmara permite a visualização da localização de diversos órgãos após a administração em baixas doses de um radiofármaco ao paciente.

O estado funcional, a distribuição e o grau de concentração do elemento radioativo nos diversos órgãos são avaliados por meio de imagens que auxiliam no diagnóstico da doença.

"Os pacientes são beneficiados com um equipamento que conta com um software moderno, facilitando e agilizando o diagnóstico", esclarece Ramos.

Gama-câmara

Os equipamentos de gama-câmara começaram por ser desenvolvidos por Hal Anger, em 1957, e consistiam num disco de iodeto de sódio de grande diâmetro, associado a uma série de fotomultiplicadores.

Com a introdução, em 1964, do tecnécio-99m (Tc-99m) a gama-câmara rapidamente se tornou no instrumento de imagem mais utilizado em Medicina Nuclear.

Nos anos 60, surgiu uma versão tomográfica da gama-câmara. A interface da gama-câmara com os computadores surgiu nos anos 70 e evoluiu nos últimos quinze anos, para dar origem à gama-câmara digital, hoje presente em hospitais modernos, como o HC da Unicamp.

Medicina nuclear

Com o novo equipamento, avaliado em R$ 500 mil, a medicina nuclear do HC passa a dispor de três aparelhos de gama-câmara para atendimento de pacientes que necessitam de diagnóstico com imagens funcionais de diferentes tecidos, permitindo a detecção de disfunções orgânicas.

O novo gama-câmara foi adquirido com recursos da Secretaria de Estado da Saúde.


Ver mais notícias sobre os temas:

Equipamentos Médicos

Diagnósticos

Exames

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.