Gene permite recuperação de ferimentos sem cicatrizes

Gene permite recuperação de ferimentos sem cicatrizes
Furos nas orelhas dos ratos - em cima, ratos com o gene p21 ativado, com os furos intactos depois de 35 dias. Embaixo, na orelha dos animais com o gene desativado, os furos se fecharam quase totalmente no mesmo período.
[Imagem: Pnas]

Gene da cicatrização

Um grupo de cientistas nos Estados Unidos descobriu um gene que pode estar envolvido na regeneração de tecidos em mamíferos.

A imagem mostra o fechamento praticamente completo de furos nas orelhas dos animais sem o gene (parte de baixo da imagem).

De acordo com a pesquisa, a ausência do gene, chamado de p21, deu aos camundongos uma capacidade de regenerar tecidos perdidos semelhante à de alguns répteis e vermes.

O estudo será publicado esta semana no site e em breve na edição impressa da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Cicatrização de lagartixa

Diferente do que ocorre normalmente em mamíferos, que curam feridas externas por meio da formação de cicatrizes, a perda do gene p21 fez com que as células dos camundongos geneticamente modificados se comportassem mais como células-tronco embrionárias do que como células adultas.

Os resultados fornecem evidência sólida da relação entre a regeneração de tecidos e o controle da divisão celular.

"Como uma lagartixa que perdeu um membro, os camundongos no estudo substituíram tecido perdido ou danificado com tecido sadio e sem sinais de cicatrizes", disse Ellen Heber-Katz, professor do Instituto Winstar, na Filadélfia, que liderou o estudo.

"Estamos apenas começando a entender as repercussões dessa descoberta. Mas entendemos que esse é um caminho a seguir", disse.

Furo na orelha

O grupo de pesquisadores usou os camundongos geneticamente modificados para tentar resolver uma dúvida levantada em 1996 em seu laboratório.

Naquele ano, os cientistas perfuraram as orelhas de camundongos modificados de modo a poder distingui-los em estudos. Algumas semanas depois, foram surpreendidos ao verificar que os furos haviam sumido sem deixar sinais.

Desde então, o grupo deu início a uma pesquisa, em colaboração com outros institutos norte-americanos, com o objetivo de mapear os genes que estariam envolvidos na capacidade de regeneração observada.

Ciclo celular

Os cientistas verificaram que as células nos camundongos modificados se comportavam de maneira atípica, com diferenças profundas em características do ciclo celular em relação aos demais animais.

Após muitas análises genéticas, o grupo conseguiu identificar que o p21, que está envolvido no ciclo celular, estava consistentemente inativo em células das orelhas dos camundongos que tiveram a regeneração dos tecidos perfurados.

Em seguida, os cientistas reproduziram nova linhagem de camundongos, dessa vez com a remoção propositada do gene p21. A capacidade de regenerar tecido lesionado foi facilmente observada.


Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Cuidados com a Pele

Cirurgias Plásticas

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.