Homens tendem a ser mais narcisistas que as mulheres

Narcisismo

Analisando dados de quase meio milhão de pessoas ao longo de três décadas, pesquisadores concluíram que, em média, os homens são mais narcisistas do que as mulheres.

Os homens consistentemente alcançaram uma maior pontuação nos índices de narcisismo do que as mulheres através de múltiplas gerações e independentemente da idade.

"O narcisismo está associado a várias disfunções interpessoais, incluindo uma incapacidade de manter relacionamentos de longo prazo saudáveis, comportamento antiético e agressão," diz a Dra. Emily Grijalva, da Universidade de Buffalo (EUA).

Estudo invertido

O que Grijalva e seus colegas fizeram foi analisar 355 estudos científicos e procurar pelas diferenças nessas "disfunções interpessoais", chegando a uma conclusão geral que eles optaram por medir em termos de narcisismo.

Ou seja, os estudos não necessariamente falam sobre narcisismo, mas, se os homens apresentaram aqueles comportamentos - incapacidade de manter relacionamentos de longo prazo saudáveis, comportamento antiético e agressividade - em maior intensidade que as mulheres, então a equipe depreende que eles são mais narcisistas porque essa é a definição que eles adotaram para narcisismo.

A maior diferença encontrada no comportamento de homens e mulheres foi no senso de ter direito a algo, sugerindo, segundo os cientistas, que os homens são mais propensos do que as mulheres a explorar os outros e sentir-se no direito de certos privilégios.

A segunda maior diferença foi na liderança/autoridade. "Em comparação com as mulheres, os homens apresentam mais assertividade e desejo de poder," disse Grijalva.

Por outro lado, não houve diferença no aspecto mais conhecido do narcisismo, o exibicionismo. Tanto homens quanto mulheres "são igualmente propensos a apresentar vaidade ou auto-absorção," diz a pesquisadora.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gênero

Comportamento

Emoções

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.