Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

26/07/2013

Pesquisador testa hormônio para substituir cirurgia de redução do estômago

Com informações da BBC

Depois de as terapias hormonais serem praticamente banidas, devido aos riscos para a saúde das mulheres, médicos agora querem utilizar o mesmo procedimento contra a obesidade.

Um estudo em curso na Grã-Bretanha está testando o uso de hormônios para combater a obesidade e substituir cirurgias de redução de estômago em pacientes obesos.

Os hormônios são praticamente os mesmos liberados naturalmente pelo corpo após todas as refeições e que indicam ao corpo que a fome foi saciada, explica o líder do estudo, o médico Steve Bloom, da Universidade Imperial de Londres.

Os médicos perceberam que esses mesmos hormônios são liberados em grandes quantidades pelo corpo de pacientes que se submeteram à cirurgia bariátrica - e esse poderia ser um dos motivos para o sucesso da cirurgia em grande parte dos casos.

Agora, a equipe de Bloom quer replicar esse efeito mesmo que o paciente não queira ou não possa se submeter ao procedimento cirúrgico.

"Ainda estamos na fase de desenvolvimento, mas já mostramos que a iniciativa funciona. Agora temos que torná-la disponível", diz Bloom.

Ainda assim, diz ele, ainda serão necessários cerca de nove anos até que o medicamento hormonal esteja devidamente testado, aprovado e pronto para ser comercializado.

Apesar disso, o próprio pesquisador reconhece que os hormônios poderão causar efeitos colaterais, por serem "quase naturais" - sua alteração mais significativa é que estão sendo desenvolvidos para seu efeito durar uma semana no corpo, em vez de apenas alguns minutos.

Pacientes obesos receberiam, assim, uma injeção semanal da droga - em alguns casos ao longo da vida inteira, para controlar seu apetite e assim perder peso. Nesse caso, um dos maiores riscos seria o desenvolvimento de dependência.

O custo estimado do tratamento, com 52 injeções anuais - uma por semana - é de cerca de 3 mil libras (R$ 10,2 mil) ao ano.


Ver mais notícias sobre os temas:

Obesidade

Dietas e Emagrecimento

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão