Igualdade entre homens e mulheres no trabalho depende de mudança de comportamento, diz OIT

Relação trabalho-família

As políticas públicas, as empresas e a sociedade precisam superar a dicotomia de papéis entre homens e mulheres para reduzir as desigualdades de gênero no mercado de trabalho.

O assunto foi tema de oficina desenvolvida nesta quarta-feira pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

"O modelo tradicional da relação trabalho-família é baseado na dicotomia entre o homem provedor e a mulher cuidadora", explicou a diretora da OIT no Brasil, Laís Abramo.

No Brasil, apesar de alguns indicadores sociais mostrarem avanços nos últimos anos, a situação das trabalhadoras ainda reflete políticas públicas e posturas empresariais que tratam a mulher apenas como "cuidadora". Dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios (Pnad) mostram que o desemprego e a informalidade são maiores entre as mulheres, e a renda feminina é, em média, 24% menor que a dos homens.

Mulher no trabalho, homem em casa

Segundo Laís, o aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho, a partir dos anos 70, não foi acompanhado de uma maior participação de homens na relação familiar, nem da oferta de serviços públicos que acompanhassem essa evolução.

O resultado foi o acúmulo de funções para as mulheres do trabalho remunerado e das rotinas domésticas.

A redução da desigualdade, na avaliação da diretora da OIT, só será possível com a "redefinição das questões no âmbito familiar", mas também depende de avanços nas políticas públicas, na legislação e nas estratégias dos empregadores.

"Algumas políticas públicas e a legislação ainda tratam as mulheres como cuidadoras. É preciso reconhecer que homens e mulheres têm direitos iguais no mundo do trabalho e na relação familiar. O cuidado dos filhos não é apenas uma responsabilidade, mas um direito, que também é dos pais", apontou.

Auxílio creche para homens

O pagamento de auxílio creche somente para as mães e não para os pais é um exemplo dessa visão, segundo Laís. "É um direito da criança, não da mãe, como é tratado pela legislação brasileira".

Entre as possíveis estratégias para a redução das desigualdade entre homens e mulheres na relação trabalho-família, a diretora da OIT defendeu a extensão de direitos como licença maternidade a trabalhadoras que estão na economia informal, a criação de políticas de estímulo à entrada e permanência de mulheres no mercado de trabalho, de proteção à maternidade e à paternidade e o fortalecimento de serviços públicos como creches e escolas em tempo integral.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gênero

Trabalho e Emprego

Cuidados com a Família

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.