Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

25/09/2015

Inca completa 500 cirurgias de câncer com uso de robô

Com informações da Agência Brasil

Primeiro hospital do SUS (Sistema Único de Saúde) a incluir a robótica em procedimentos cirúrgicos, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) completou 500 cirurgias feitas com auxílio do robô Da Vinci.

O equipamento, chamado Da Vinci, foi adquirido em dezembro de 2011, ao custo de US$ 2,6 milhões.

Cirurgias de cabeça e pescoço

O cirurgião da Área de Cabeça e Pescoço do Inca, Fernando Luiz Dias, explicou que o robô cirurgião permite realizar cirurgias que, no passado, eram feitas de maneira tradicional, com alta possibilidade de complicação.

Incisões externas e eventuais acessos cirúrgicos por estrutura óssea da face, no caso de cirurgias de cabeça e pescoço, faziam o paciente sofrer muito mais pelos efeitos desse acesso cirúrgico do que a retirada do tumor em si.

"O robô trouxe a possibilidade de fazermos essas cirurgias sem a necessidade desses acessos cirúrgicos. Fazemos diretamente pela cavidade natural, que é a boca," explicou o cirurgião.

O uso da robótica reduziu o tempo das cirurgias de quatro a cinco horas para menos de uma hora e a internação, que durava de sete a oito dias, foi reduzida para três a quatro dias.

Segundo o especialista, o novo equipamento proporcionou ao corpo médico do Inca acumular uma experiência com cirurgia robótica incomparável: "Eu diria que o Inca tem hoje a maior experiência brasileira em cirurgia robótica, não só em cabeça e pescoço, mas também em outras especialidades". Nessa área, foram operados mais de 150 pacientes desde março de 2012.

Cirurgias mais rápidas

O robô é utilizado no Inca também em cirurgias de tumores abdominais, urológicos e ginecológicos. Como as cirurgias são cada vez mais rápidas com o uso do robô, os médicos do Inca podem fazer de dois a três procedimentos por dia, durante os cinco dias úteis e a expectativa é operar pelo robô entre oito e dez doentes por mês com câncer de pescoço e cabeça. O robô é cedido a cada especialidade médica durante um dia por semana.

Além de ser mais rápido, o procedimento robótico reduz a exposição de tecido corporal do paciente, que ocorre na cirurgia aberta. "A dor é muito menor, o incômodo é muito menor, a necessidade de o paciente ser submetido a uma traqueostomia também é muito menor. Enfim, existe uma série de ganhos de conforto do paciente para os quais essa cirurgia seja indicada e que auxilia na reabilitação desse paciente na sua vida cotidiana e, eventualmente, até na sua vida profissional."

Por outro lado, como todo avanço técnico, a robótica cirúrgica também não é um progresso imune a falhas:


Ver mais notícias sobre os temas:

Robótica

Cirurgias

Cérebro

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento