Planta amazônica combate rugas e manchas na pele

Jucá: Planta amazônica combate rugas e manchas na pele
Jucá demonstrou efeito positivo contra rugas e manchas na pele - o extrato da planta é rico em ácido gálico, que age sobre enzimas que atuam no envelhecimento e degradam o colágeno.
[Imagem: Wikimedia]

Pau-ferro

O jucá (Libidibia ferrea), também conhecido como pau-ferro, é uma árvore amazônica de pequeno porte mas grande potencial. Nativa do Brasil, ela é amplamente disseminada no Norte e Nordeste do país.

O pó de sua casca é usado como chá pela medicina tradicional da região e para o tratamento de problemas no fígado ou no estômago. Industrializado, o extrato da casca já faz parte da composição de diversas marcas de sabonete íntimo, por conta de suas propriedades antissépticas.

Um trabalho pioneiro do professor Emerson Silva Lima, da Universidade Federal do Amazonas, demonstrou em 2014 que a casca e a vagem do jucá também possuem princípios antioxidantes, além de confirmar seus efeitos no tratamento de problemas do fígado.

Agora, o professor Emerson liderou uma equipe de várias universidades brasileiras que identificou outros efeitos do jucá: um efeito antienvelhecimento e um efeito de antipigmentação quando aplicado à pele.

Envelhecimento da pele

O processo de envelhecimento da pele parece estar ligado à incapacidade progressiva do sistemas de defesa antioxidante em deter os efeitos de elementos oxidantes - radicais oxigênio - nos tecidos. As consequências são a perda de elasticidade, a progressiva flacidez dos tecidos, o aparecimento de rugas e o surgimento de manchas na pele.

A exposição excessiva aos raios solares, à poluição ambiental e hábitos como o tabagismo aceleram o processo, por meio da produção na pele de enzimas como a elastase e a colagenase, responsáveis pela degradação dos principais componentes da matriz extracelular cutânea: a elastina e o colágeno.

Planta contra envelhecimento da pele

Ao analisar os efeitos da aplicação do extrato de jucá em células humanas in vitro, os pesquisadores perceberam o papel importante de um ácido específico. "Verificamos a presença de 18 agentes metabólicos presentes no jucá e, na literatura, verificamos que a maior ação antioxidante se dá por conta do ácido gálico," contou Tatiana Pedrosa, responsável pelos experimentos.

O ácido gálico age sobre enzimas (tirosinase e colagenase) que atuam no envelhecimento e degradam o colágeno, o que, com o tempo, deixa a pele flácida, com rugas e com manchas.

O estudo também demonstrou a presença de epicatequina e catequina nos extratos, dois polifenóis com ação reconhecidamente inibidora da tirosinase, mas a equipe ainda irá se dedicar à identificação dos compostos específicos do jucá responsáveis pelos efeitos verificados.

"Ele tem grande potencial e poderá vir a ser usado em cremes com ação antienvelhecimento", prevê a pesquisadora Silvya Engler.


Ver mais notícias sobre os temas:

Plantas Medicinais

Cuidados com a Pele

Medicamentos Naturais

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.