Livro centenário mostra luta de Vital Brazil pelo soro antiofídico

Soro para veneno de cobra

Entre os últimos anos do século 19 e a primeira década do século 20, o cientista brasileiro Vital Brazil Mineiro da Campanha esteve à frente de uma luta que, vitoriosa, até hoje continua salvando muitas vidas no país: a produção de soros específicos para o veneno de cada tipo de cobra.

Os primeiros 15 anos dessa luta foram registrados em um livro lançado em 1911, A Defesa contra o Ophidismo, que se tornou um marco na história da produção científica brasileira.

Cem anos depois, uma edição especial da obra de Vital Brazil foi relançada, fruto de uma parceria entre o Instituto Vital Brazil (IVB), o Instituto Butantan e a Casa de Vital Brazil, que cuida da preservação da memória do cientista.

A reedição também comemora os 146 anos de nascimento de Vital Brazil.

Pesquisas de Vital Brazil

Em dois volumes, integrados em um estojo, o livro contém o fac-símile do original, com todas as suas ilustrações e fotografias e comentários de especialistas. Traz ainda a reprodução de documentos importantes, como uma carta do então presidente dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt, em agradecimento a Vital Brazil pelo recebimento de um exemplar da obra.

As pesquisas de Vital Brazil tiveram início quando ele percebeu que o soro descoberto em 1894, por cientistas franceses ligados ao Instituto Pasteur e ao Museu de História Natural de Paris, não poderia ser usado contra o veneno de qualquer tipo de cobra. "Na verdade, só era eficaz para o veneno da naja, serpente encontrada na Indochina", diz Érico Vital Brazil, neto do cientista e presidente da Casa de Vital Brazil.

Na época, o Brasil se expandia para o interior e a imensa população rural enfrentava o risco de vida representado pelas picadas de cobra. O ofidismo, acidente caracterizado pela picada de cobra venenosa, era um problema grave no país.

Vital Brazil começou, então, a desenvolver os soros específicos para os venenos das serpentes brasileiras no Instituto Butantan, fundado por ele, em 1899. Em agosto de 1901, os primeiros soros antiofídicos já começavam a ser distribuídos à população.

Soroterapia

A consolidação da soroterapia como defesa contra o ofidismo foi uma batalha difícil, segundo relata o neto do cientista. "Vital Brazil teve que lutar muito com relação à divulgação desse tratamento.

O país tinha, na época, uma população com 80% de analfabetos, sem possibilidade de acesso à informação, e essa era a parcela mais atingida [por picadas de cobra], como é até hoje . Ele enfrentou uma série de dificuldades, até mesmo na obtenção de veneno para produzir soro. E não foi nada fácil ter uma quantidade suficiente de serpentes para a produção do soro", relata Érico.

De acordo com o diretor científico do IVB, Luís Eduardo Cunha, um século depois, o livro A Defesa contra o Ophidismo é muito atual. "O resultado das pesquisas de Vital Brazil salvou e continua salvando muitas vidas", diz. Para muitos estudiosos, a campanha do cientista brasileiro não teve paralelo no mundo até hoje, em relação a uma questão epidemiológica.

Fundado em 1919, por Vital Brazil, o IVB, hoje vinculado à Secretaria Estadual de Saúde e Defesa Civil, é um dos 18 laboratórios oficiais brasileiros e um dos três fornecedores de soros contra o veneno de animais peçonhentos para o Ministério da Saúde.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Desenvolvimento de Medicamentos

Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.