Brasileira luta contra o uso do amianto há 25 anos

Brasileira luta contra o amianto há 25 anos
Fernanda Giannasi vem tentando banir o uso do amianto no Brasil para evitar que mais pessoas morram em decorrência do seu uso.
[Imagem: Felipe Lima/BBC]

A mulher do amianto

Uma brasileira de 52 anos conquistou uma reputação internacional por seu trabalho contra a indústria do amianto no Brasil. Há 25 anos, Fernanda Giannasi vem tentando banir o produto no país, para evitar que mais pessoas morram em decorrência do seu uso.

Entre os produtores brasileiros de amianto, Giannasi virou até persona non-grata. "Eu não tenho nome. Sou apenas conhecida como 'aquela mulher'", brinca.

Ficção

Fernanda Giannasi é inspetora do ministério do Trabalho. Ela afirma que o amianto branco - produzido em Goiás e vendido tanto no Brasil quanto no exterior - já matou centenas de pessoas e provocará mais mortes se não for proibido.

Ela rejeita a ideia de que o produto possa ser usado com segurança, como defendem alguns produtores. "Isso é uma ficção", diz Fernanda.

Por seu trabalho no Brasil, ela ganhou vários admiradores na comunidade internacional. Um médico de Goiás apelidou-a de "Erin Brockovich brasileira", em referência à norte-americana que lutou contra indústrias que poluíam a água na Califórnia e virou personagem de um filme.

Pó de amianto

O palco do trabalho de Fernanda Giannasi são as cidades brasileiras, como Osasco, em São Paulo.

Eliezer João de Souza trabalhou em uma fábrica no local entre 1968 e 1981, cortando amianto. "A fábrica era cheia de pó por toda a parte. Era possível ver o pó nos raios de sol", conta Souza, hoje com 68 anos.

Até 1977, os trabalhadores não tinham nenhum equipamento especial. Naquele ano, eles receberam máscaras de papel.

"Em um momento, eles chamaram todos os trabalhadores e tiraram raio X dos nossos pulmões, mas eles nunca nos mostraram os resultados."

Em 2000, Eliezer Souza passou por uma cirurgia para remover dois tumores do seu pulmão.

O trabalhador é um dos integrantes da Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (ABREA). O grupo é um dos 70 que foram formados pelo mundo reunindo vítimas da substância.

Proibição do uso do amianto

O amianto já foi amplamente usado em vários países, mas isso mudou ao longo dos últimos anos. No mundo todo, 52 países já proibiram ou restringiram o uso do amianto. A União Europeia proíbe qualquer variação do amianto. Nos Estados Unidos, apenas alguns freios são usados.

Em países em desenvolvimento como China, Índia e Brasil, no entanto, a substância ainda é usada.

O Brasil é o terceiro maior produtor e exportador de amianto, que é vendido para países como Colômbia e México. O país também é o quinto maior consumidor do produto.

As 11 empresas que trabalham com o produto empregam mais de 3,5 mil pessoas diretamente e movimentam R$ 2,5 bilhões por ano.

Combate ao amianto

Giannasi começou sua carreira nos anos 80 no Brasil, combatendo a indústria do amianto em São Paulo. Em 1991, após vasta experiência como inspetora, ela foi transferida para Osasco, cidade que concentra as maiores indústrias do setor.

Em 1995, ela entrou em guerra contra uma empresa local, tentando impedir a demolição de uma das fábricas sem um manejo ambiental. O processo poderia liberar ainda mais partículas de amianto no ar.

Desde o começo do governo Lula, em 2003, a produção de amianto cresceu no Brasil. Fernanda Giannasi levantou a voz para protestar contra a falta de regulação e acabou suspensa por 45 dias. Depois de ir à imprensa, ela conseguiu voltar ao cargo.

Exausta da luta de quase três décadas, ela diz hoje que não acredita que conseguirá alcançar seu objetivo maior: uma proibição nacional do uso do amianto no Brasil.

Veja quais são os riscos do amianto à saúde.


Ver mais notícias sobre os temas:

Poluição

Contaminação

Trabalho e Emprego

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.