Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

09/08/2016

Luz artificial demais está nos deixando doentes?

Redação do Diário da Saúde
Luz artificial demais está nos deixando doentes?
Além de afetar o sono, a iluminação do ambiente afeta a forma como você toma decisões. E parece que o relógio biológico não é a única rota para a influência da luz sobre a saúde.[Imagem: National Institute of General Medical Sciences]

Indicadores de fragilidade

Junto com alimentar-se bem e fazer exercícios físicos, as pessoas devem considerar a adição de um outro item à sua lista de hábitos saudáveis: apagar as luzes.

"Demonstramos que a ausência dos ritmos ambientais de claro e escuro conduz a uma grave ruptura de uma ampla variedade de parâmetros de saúde," explica Johanna Meijer, da Universidade Leiden (Holanda).

Esses parâmetros incluem a ativação pró-inflamatória do sistema imunológico, perda de massa muscular e os primeiros sinais de osteoporose. Os pesquisadores afirmam que as alterações fisiológicas observadas são todas indicativas de "fragilidade", similares às vistas em pessoas ou animais à medida que envelhecem.

Mas basta apagar as luzes

Mas há uma notícia mais animadora, também.

"A boa notícia é que posteriormente nós demonstramos que estes efeitos negativos para a saúde são reversíveis quando o ciclo claro-escuro ambiental é restaurado," explica Meijer.

A equipe expôs animais de laboratório à luz em tempo integral durante 24 semanas e mediu diversos parâmetros importantes para a saúde.

A atividade cerebral dos animais mostrou que a exposição constante à luz reduz os padrões rítmicos normais no marcador circadiano central do cérebro - núcleo supraquiasmático - em 70%.

Surpreendentemente, a interrupção do ciclo normal de luz e escuridão levou a uma redução na função músculo-esquelética dos animais, com redução de sua força. Os ossos apresentaram sinais de deterioração e os animais entraram em um estado pró-inflamatório normalmente observado apenas na presença de agentes patogênicos ou outros estímulos nocivos.

Bastou que os camundongos voltassem a um ciclo normal de luz-escuro durante 2 semanas para que os neurônios do marcador circadiano cerebral recuperassem seu ritmo normal e os demais problemas de saúde dos animais fossem revertidos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sono

Neurociências

Cérebro

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?