Mau atendimento na área de saúde expõe idosos à violência

Mau atendimento na área de saúde expõe idosos à violência
Mesmo sabendo que algumas práticas no atendimento aos idosos beiram a violência, os profissionais envolvidos preferem culpar o colega ou até mesmo a instituição.
[Imagem: Agência USP]

Lado mais fraco

O mau atendimento a idosos em uma unidade pública de saúde de São Paulo demonstra que estas pessoas são as mais vulneráveis ao mau atendimento de parte dos servidores.

"Os profissionais daquela unidade chegam a atuar de forma violenta, mesmo que involuntariamente. Não podemos generalizar e dizer que isso ocorre em todo o serviço público de saúde", alerta a assistente social Marilia Viana Berzins.

Em sua tese de doutorado Violência institucional contra a pessoa idosa: a contradição de quem cuida, a pesquisadora analisou a percepção de 16 profissionais de um serviço de emergência, entre atendentes, auxiliares de enfermagem, enfermeiros, capelão e assistentes sociais, à exceção dos médicos.

Exemplos de mau atendimento

"Mesmo sabendo que algumas práticas no atendimento aos idosos beiram a violência, os profissionais envolvidos preferem culpar o colega ou até mesmo a instituição", explica Marilia.

Segundo ela, o Ministério da Saúde identifica nove exemplos de situações em que há violência em relação ao idoso. "Os profissionais identificaram seis situações que prejudicam o atendimento ao idoso: a peregrinação, ou seja, a desinformação nos setores que leva o paciente a ir a vários lugares fora e dentro do próprio serviço; falta de escuta e tempo para o usuário; frieza, rispidez, falta de atendimento e negligência; maus tratos com usuários motivados por discriminação quando a questão é a idade; detrimento das necessidades e direitos do usuário; proibição ou obrigatoriedade de acompanhantes com horários rígidos e restritos.

Em relação ao último item identificado, Marilia ressalta que o acompanhamento do idoso em internações hospitalares é um direito, de acordo com o Estatuto do Idoso. "O fato de ser um direito não o torna obrigatório. Na unidade de saúde estudada os servidores tornavam o acompanhamento obrigatório, causando problemas às famílias do idoso", revela.

Visão deturpada da velhice

A pesquisadora aponta que um dos principais problemas entre os funcionários é como eles enxergam a velhice. "Em geral vêem como uma coisa ruim, até mesmo como uma doença. Uma situação que não desejam a si próprios", lamenta Marilia.

Ela lembra que, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2007, o Brasil possui 19 milhões de idosos. "Em 2030 as projeções indicam que poderemos ser 32 milhões de pessoas idosas", cita a pesquisadora.

Problemas de gestão e de condução

Entre as estratégias propostas no trabalho para melhorar essa situação, Marilia destaca uma melhor qualificação e capacitação dos funcionários que atuam no serviço público de saúde. Mas ela ressalta que o problema também está na gestão destes órgãos. "Profissionais e gestores têm de se conscientizar que velhice não significa doença e nem pobreza. O envelhecimento não é um problema social, como muitos consideram", destaca. "É preciso discutir junto com todos os setores envolvidos o envelhecimento humano. As causas podem estar no próprio processo de trabalho. "É preciso reorganizá-lo, pois as formas de violência muitas vezes são sutis", revela.

O cidadão, por sua vez, não reclama do mau atendimento, como salienta a pesquisadora. E isso não acontece apenas com os mais idosos, mas com a maioria das pessoas que dependem dos serviços. "Como pude verificar em outros estudos, eles não reclamam por medo de não serem atendidos." O estudo de Marilia teve a orientação da professora Helena A. Wada Watanabe, do Departamento de Prática de Saúde Pública da FSP da USP.


Ver mais notícias sobre os temas:

Atendimento Médico-Hospitalar

Terceira Idade

Ética

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.