Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

15/12/2014

Mente alerta protege grávidas contra depressão

Redação do Diário da Saúde
Mente alerta protege grávidas contra depressão
Outro estudo já havia demonstrado que a ioga para grávidas reduz a depressão e reforça os laços com o bebê.[Imagem: University of Michigan Health System]

Mulheres grávidas com histórico de depressão forte têm cerca de 40% menos probabilidade de recaída na depressão quando praticam técnicas de mente alerta - como meditação, exercícios de respiração e ioga - juntamente com a terapia cognitiva.

Muitas mulheres com preocupações sobre os efeitos colaterais e possíveis impactos para o desenvolvimento fetal gerados pelos medicamentos antidepressivos podem preferir uma intervenção não-farmacológica," destaca a Dra. Sona Dimidjian, da Universidade de Colorado (EUA).

"É importante para as mulheres grávidas que estão em alto risco de depressão contarem com alternativas de tratamento e prevenção," acrescenta a pesquisadora.

Terapia Cognitiva Baseada em Mente Alerta

Cerca de 30% das mulheres grávidas que enfrentaram a depressão no passado voltam a ficar deprimidas nos meses antes e após o nascimento dos filhos, de acordo com pesquisas anteriores.

No novo estudo, os pesquisadores constataram que a participação em um programa de "Terapia Cognitiva Baseada em Mente Alerta" reduziu a taxa de recaída para apenas 18%.

"Mente alerta tem a ver com prestar atenção à sua própria experiência momento a momento, de uma forma que está impregnada com uma abertura, curiosidade, gentileza e bondade para consigo mesma," explica a Dra. Dimidjian.

Depressão na gravidez

A Terapia Cognitiva Baseada em Mente Alerta - que combina a prática da atenção plena com a mais tradicional terapia cognitiva - tem-se mostrado eficaz na prevenção de episódios recorrentes de depressão na população em geral.

Mas poucos estudos analisaram o efeito dessas terapias e intervenções não-medicamentosas entre as mulheres grávidas, em parte porque se considera difícil recrutar participantes para estudos dentro do período de tempo relativamente curto de gravidez.

A Dra. Dimidjian conseguiu recrutar 49 grávidas com histórico passado de depressão, e 86% delas completaram todo o estudo. E ainda precisou dispensar um número ainda maior de grávidas que queriam participar do estudo mesmo sem apresentarem os critérios necessários - ter tido depressão.

"Eu fiquei surpresa com o nível de interesse, mesmo entre as mulheres que não têm um histórico de depressão," disse Dimidjian. "As mulheres grávidas sabem que vão ter esse evento que vai mudar suas vidas, e elas querem estar prontas."


Ver mais notícias sobre os temas:

Gravidez

Meditação

Depressão

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?