Microchip implantável usa sensor para monitorar tumores

Microchip implantável tem sensor para monitorar tumores
O chip-sensor é a parte menor, entre os dedos do médico. Agora ele será ainda mais miniaturizado para ser implantado por uma cirurgia minimamente invasiva.
[Imagem: Sven Becker / Technische Universitaet Muenchen]

Evitando cirurgias arriscadas

Uma cirurgia é normalmente uma das primeiras opções no tratamento do câncer.

No entanto, alguns tumores, como os tumores cerebrais, podem ser difíceis de operar, com um alto risco de danificar o tecido nervoso sadio ao redor.

Outros tumores cancerosos, como o carcinoma da próstata, crescem a um ritmo muito lento e afetam principalmente os pacientes mais velhos.

Nestes casos, uma cirurgia muitas vezes reduz a qualidade de vida dos pacientes sem prolongar significativamente sua expectativa de vida.

A solução pode estar em uma técnica para monitorar o crescimento dos tumores, deixando a cirurgia como último recurso, quando ela for estritamente necessária e puder fornecer os maiores benefícios.

Chip para monitorar tumores

Para isso, a equipe do Dr. Bernhard Wolf, da Universidade de Munique, na Alemanha, criou um chip que contém um sensor que pode ser implantado próximo a um tumor, detectando sua alterações.

O chip-sensor mede a concentração de oxigênio dissolvido no tecido e transmite esta informação a um receptor fora do organismo.

O receptor então envia os dados para o médico do paciente, que pode monitorar o desenvolvimento do tumor, dosando as quimioterapias e analisando o momento correto de fazer a cirurgia.

Sensor biocompatível

O principal desafio para os pesquisadores foi desenvolver um sensor que funcione de forma inteiramente autônoma por longos períodos de tempo, não podendo ser "contaminado" pelas proteínas ou restos celulares do organismo.

Ele também precisa ser "invisível" para o corpo, para que não seja identificado como um objeto estranho, atacado e encapsulado por uma "cicatriz", o que o tornaria inoperante.

"Nós encapsulamos o chip sensor, o circuito eletrônico de análise, o transmissor e as baterias em uma caixa de plástico biocompatível," explica Sven Becker, gerente do projeto. "Além disso, nós projetamos o chip para auto-calibrar o sensor para uma determinada concentração de oxigênio dissolvido nos intervalos de medição."

Micro-seringa

O chip-sensor já passou por testes de laboratório com células e culturas de tecidos. O próximo passo serão os testes in vivo.

Enquanto verificam seu funcionamento, os pesquisadores vão trabalhar em sua miniaturização, para que a cirurgia para seu implante seja minimamente invasiva.

Além disso, os médicos querem adicionar outros sensores, para medir a acidez e a temperatura.

A equipe também está trabalhando no desenvolvimento de uma micro-seringa, a ser implantada junto com o chip-sensor. A micro-seringa será capaz de liberar agentes quimioterápicos nas imediações do tumor, se necessário.


Ver mais notícias sobre os temas:

Nanotecnologia

Robótica

Cirurgias

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.