Ministro defende terceirização de serviços do SUS

E se consertar?

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, defendeu a terceirização de alguns serviços no SUS.

Segundo ele, os governos poderiam pagar pelo produto final do atendimento médico, em vez de comprar equipamentos e pagar médicos pela hora de trabalho.

"[Em] algumas formas de trabalho médico, é melhor pagar pelo produto entregue do que pelas horas do profissional. Se o equipamento estiver quebrado, o profissional recebe a mesma coisa," disse o ministro.

A ideia seria pagar pelo número de consultas e exames efetivamente realizados, e não por hora de trabalho, porque, em algumas situações, não há de fato hora trabalhada, pois o equipamento não está funcionando.

Lucro versus interesse público

O presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, Jorge Darze, no entanto, considera um grande equívoco um modelo de gestão em saúde pública com terceirização de serviços e parcerias com a iniciativa privada.

"Privatizar mão-de-obra e gestão da saúde pública fere as regras do Sistema Único de Saúde e a Constituição Federal. O que mobiliza o privado é o lucro e o que motiva a administração pública é o interesse público, projetos diametralmente opostos", disse Darze.

O ministro não comentou sobre a possibilidade de medidas de gestão que possam cuidar da manutenção dos equipamentos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Equipamentos Médicos

Atendimento Médico-Hospitalar

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.