Miomas uterinos podem nunca necessitar de intervenção

Não sofrer por antecipação

As visitas periódicas ao ginecologista são um desconforto para a maioria das mulheres.

Nesses exames é possível, por exemplo, detectar um mioma uterino, um tipo de tumor benigno.

Apesar de ser encontrado em 80% das mulheres em idade reprodutiva, o mioma pode aparecer sem apresentar qualquer sintoma, e poderá nunca causar danos à saúde da mulher.

Nilo Bozzini, médico do Hospital das Clínicas, afirma que entre 50% e 60% das portadoras do mioma podem passar a vida inteira sem saber do tumor benigno.

Por isso, o médico aconselha as mulheres que descobrem a presença do tumor para "não sofrer com a notícia".

Há casos, segundo o especialista, em que nunca será necessário mexer no tumor.

Miomas no útero

Entre os sintomas que caracterizam os miomas estão sangramento menstrual em volume acima do normal, dor na região pélvica, aumento do tamanho do abdômen, dificuldade para urinar ou evacuar e até mesmo infertilidade.

A doença pode estar relacionada à presença dos hormônios ovarianos estrógeno e progesterona, responsáveis pelo desenvolvimento sexual da mulher e pelo ciclo menstrual.

No caso de ser necessária uma intervenção, o primeiro recurso é administrar medicamento para reduzir o tamanho do mioma, o que será benéfico até mesmo se houver a necessidade de cirurgia, porque ajudará a tornar o procedimento menos invasivo.

Apenas nos casos mais graves haverá indicação de cirurgia.

Operação dos miomas

As técnicas utilizadas para a retirada dos miomas são: a histeroscopia, referente ao mioma submucoso, que está no interior da cavidade do útero; a laparoscopia, para os miomas encontrados na superfície externa do útero e já se instalando na cavidade muscular; e a laparoscopia, para os tumores de volume maior espalhados pelo tecido uterino.

Outro procedimento é a embolização, que bloqueia o fluxo de sangue que alimenta o mioma.

A histerectomia, ou retirada do útero, é uma opção adotada apenas para mulheres que já tiveram os filhos ou que já passaram da idade fértil, relatou.

"Cada caso é um caso," ressalta Bozzini, para explicar que não existe nenhuma conduta básica a seguir.

Caberá ao médico decidir sobre a melhor forma de tratamento, a depender da idade da paciente, do volume, localização e evolução do tumor que se desenvolve no tecido do útero.

Além do exame físico, o acompanhamento pode passar pelas etapas de uma ultrassonografia ou ressonância magnética.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde da Mulher

Prevenção

Exames

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.