Mortalidade de recém-nascidos pode ser evitada com assistência adequada

Morte prematuras

Um estudo realizado em 54 maternidades públicas e privadas da zona sul de São Paulo indicou que parte considerável dos recém-nascidos, principalmente os que apresentam problemas graves, não recebe todos os cuidados assistenciais necessários.

Estes cuidados - divididos em etapas que envolvem manejo e reanimação, destino (berçário utilizado), realização de exames e procedimentos terapêuticos - variam conforme a condição clínica apresentada pelo bebê, e em muitos casos podem evitar a mortalidade precoce.

A pesquisa foi fruto de uma parceria interinstitucional, que está em curso desde 1999, entre a Faculdade de Saúde Pública (FSP) e a Faculdade de Medicina (FM) da USP e a London School of Hygiene and Tropical Medicine.

Assistência aos recém-nascidos

A médica Norma Suely de Almeida Araújo, responsável pela análise da assistência aos recém-nascidos, realizou um estudo de caso-controle de base populacional na região sul do município de São Paulo, com o objetivo de analisar um amplo leque de fatores de risco da mortalidade perinatal, que inclui os óbitos dos nascidos mortos (a partir da vigésima semana de gravidez) e dos nascidos vivos, ocorridos até o sétimo dia de vida.

"Procuramos realizar um estudo que pudesse contribuir para explorar as articulações específicas entre diversas categorias, considerando variáveis como as características socioeconômicas e obstétricas das mães, dos serviços de saúde e dos recém-nascidos", explica ela.

Foram investigados prontuários de 106 bebês que morreram (casos) e de 312 que sobreviveram (controles), sendo excluídos do estudo apenas os bebês que nasceram com alguma malformação congênita incompatível com a vida, como anencefalia, por exemplo. Dentre os bebês que sobreviveram, 97% tiveram cuidados considerados adequados para seu estado, enquanto que apenas 70% dos que vieram a óbito foram assistidos corretamente.

Desatenção aos prontuários

A variável construída para avaliar a adequação ou não da assistência ao recém-nascido é uma síntese das quatro etapas necessárias, sendo que a cada uma delas foi atribuído um maior ou menor peso, com destaque para as duas primeiras (manejo e reanimação e berçário utilizado), consideradas de vital importância.

"É preciso observar que nos baseamos nas informações contidas em prontuários. Nem sempre os médicos os preenchem corretamente, relatando todos os procedimentos realizados. Em geral, encontramos com mais facilidade informações sobre a primeira e a segunda etapas, e com menos freqüência dados sobre as etapas posteriores", ressalta a médica.

Baixo peso ao nascer

Também foi realizado um estudo de coorte (acompanhamento), em que foram destacados os 195 bebês que nasceram com menos de um quilo e meio. "O baixo peso é considerado um fator de risco, juntamente com idade gestacional maior ou menor que 37 semanas, baixa escolaridade materna e realização de menos de seis exames pré-natais", esclarece a pesquisadora.

Foram comparados os dados dos 91 que morreram com os 102 sobreviventes, e os resultados indicaram que 65% dos que morreram tiveram os cuidados adequados, contra 81% dos que sobreviveram. "Apesar de a execução de todos os cuidados necessários garantir a sobrevivência dos recém-nascidos, fica claro que uma assistência adequada - principalmente em casos considerados graves - aumenta as chances de sobrevivência", conclui.

Software de acompanhamento

Norma se baseou nas informações encontradas na literatura científica e na recomendação de órgãos internacionais, como a Organização Mundial de Saúde (OMS), para construir um algoritmo (fluxograma) destinado a ser utilizado em estudos populacionais. A indicação das medidas sucessivas a serem tomadas de acordo com o estado do bebê foi sistematizada num software, e a médica destaca que o algoritmo construído utiliza condições clínicas plausíveis e apresenta grande viabilidade de aplicação em estudos epidemiológicos.

As conclusões da pesquisa estão expostas na tese de doutorado O papel da assistência hospitalar ao recém-nascido na mortalidade neonatal precoce na Região Sul do município de São Paulo: estudo caso-controle, que contou com a orientação da professora Hillegonda Maria Dutilh Novaes.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com o Recém-nascido

Cuidados com a Família

Gravidez

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.