Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

25/05/2012

Motivação: viva para aprender, não para vencer

Redação do Diário da Saúde
Motivação: viva para aprender, não para vencer
Os líderes dveem estruturar ambientes que encorajem os riscos intelectuais, em vez de ficar "pegando no pé" e punindo os erros. [Imagem: Univ.Stanford/iStock]

Estudante ideal

Imagine o estudante ideal.

Focado no aprendizado, na melhoria dos seus conhecimentos, mais nas próprias notas e no próprio conhecimento do que em como os colegas o veem.

Em uma palavra, um estudante ideal está centrado na competência, e não na competição.

Sua motivação é entender e aprender, e não simplesmente provar o quanto é inteligente ou esperto.

Já se demonstrou que a motivação influencia resultados em testes de QI mas, mais importante, que a motivação é essencial para que a pessoa sinta-se sadia.

Funcionário ideal

Mas será possível desenvolver essa motivação intrínseca em outros ambientes, nas empresas, por exemplo?

Afinal, em tempos da problemática e egoísta Geração Y, quem não desejaria colaboradores com elevados níveis de engajamento e desempenho, com resiliência frente às falhas e com uma verdadeira sede de conhecimento?

Este foi o tema que apaixonou Paul O'Keefe, na Universidade de Stanford (EUA).

E, segundo suas conclusões, um ambiente que estimule o aprendizado pode automaticamente aumentar a motivação das pessoas, mesmo que elas sejam recém-chegadas de ambientes competitivos.

Estar em um ambiente que estimule o aprendizado pelo aprendizado amortece as preocupações de superar os outros, melhorando a motivação intrínseca.

"Uma vez que essa orientação tenha sido fomentada e reforçada, os padrões adaptativos de motivação se mantêm," afirma o pesquisador. "Isto sugere que a orientação a objetivos pode sobreviver em uma variedade de diferentes climas."

Orientação para objetivos

Orientação para objetivos é o termo psicológico usado para explicar o padrão mental aplicado a atividades relacionadas ao atingimento de metas.

As pessoas tendem a adotar uma abordagem orientada a objetivos dependendo da situação ou do ambiente, e essa adoção adquire uma certa estabilidade ao longo do tempo.

Mas se se trata de uma orientação a objetivos, qual é o foco?

Geralmente há dois tipos de orientação a objetivos que as pessoas adotam: a mestria, ou domínio de um saber, e o desempenho.

A mestria é descrita como um foco no aprendizado e na melhoria - o estudante ideal.

A orientação ao desempenho se concentra em demonstrar competência em relação aos outros - tentar parecer inteligente, ou evitar parecer estúpido, por exemplo, ou simplesmente superar os outros para conseguir uma promoção.

Do ideal para o real

Os psicólogos tendem a concordar que uma orientação à mestria, ou ao domínio de uma área ou de um saber, é altamente adaptativa, e carrega consigo as qualidades mais positivas, incluindo perseverança, busca de desafios e desejo de aprender.

Uma orientação ao desempenho também pode produzir resultados positivos - promoções no emprego, por exemplo - mas com um custo elevado, porque as pessoas focadas em superar os outros e parecer espertas são mais ansiosas e se preocupam mais.

O'Keefe e seus colegas fizeram então diversos experimentos para verificar na prática, se a exposição a ambientes orientados para o aprendizado têm efeitos de longo prazo, eventualmente comprovando sua maior adaptabilidade e seus melhores resultados.

Como há poucos ambientes orientados ao aprendizado, os cientistas queriam saber se a experiência desses ambientes ideais poderia ajudar as pessoas que são deslocadas para ambientes competitivos.

Como motivar pessoas

A resposta é parcialmente sim.

A valorização dos objetivos mais elevados sobrevive durante um bom tempo.

"As pessoas mantêm esses padrões motivacionais adaptativos mesmo quando vão para um ambiente diferente, que não dá suporte imediato à orientação para o aprendizado," explica o pesquisador.

"Nós queremos criar estudantes, funcionários e membros de equipes ideais. Nós queremos as pessoas fazendo o que fazem porque amam fazê-lo. Sabemos que não é assim que nossa sociedade está estruturada, de forma que o quanto fizermos para incentivar as pessoas a adotar a busca de aprendizado, a mestria, já representará um grande passo nesse sentido," resume O'Keefe.

Segundo ele, professores e gerentes podem dar mais liberdade de escolha e mais autonomia para suas equipes, em vez de darem ordens e ficarem verificando cada detalhe, no "microgerenciamento", que é como os cientistas chamam o famoso "pegar no pé".

Os líderes também podem estruturar ambientes que encorajem os riscos intelectuais, em vez de punir os erros.

A redução das comparações e das competições também pode fomentar a mestria e reduzir as orientações ao desempenho.


Ver mais notícias sobre os temas:

Comportamento

Trabalho e Emprego

Relacionamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?