Muito açúcar é ruim, mas qual açúcar é pior: frutose ou glucose?

Muito açúcar é ruim, mas qual açúcar é pior: frutose ou glucose?
Diversos tipos de açúcar - mascavo, bruto e rapadura.
[Imagem: Wikimedia Commons/Romain Behar]

Açúcar ruim

A equipe do professor Peter Havel, da Universidade da Califórnia (EUA), descobriu que o consumo de bebidas adoçadas com frutose, mas não aquelas adoçadas com glucose, afetam negativamente a sensibilidade do organismo ao hormônio insulina.

Um cidadão norte-americano consume, em média, 64 kg de açúcar, uma grande proporção disto vindo através dos refrigerantes.

A pesquisa demonstrou ainda que a ingestão de bebidas adoçadas com frutose afeta a forma como o organismo lida com a gordura, criando condições médicas que aumentam a suscetibilidade a ataques do coração e derrames.

Aumento na gordura intra-abdominal

No estudo, adultos obesos e com sobrepeso consumiram bebidas adoçadas com glucose ou com frutose que forneciam 25% de suas necessidades diárias de energia durante um período de 10 semanas.

Durante esse período, indivíduos dos dois grupos ganharam mais ou menos a mesma quantidade de peso, mas apenas aqueles que consumiram bebidas adoçadas com frutose apresentaram um aumento na gordura intra-abdominal.

Além disso, apenas esses indivíduos se tornaram menos sensíveis ao hormônio insulina - que controla os níveis de glucose no sangue - e apresentaram sinais de dislipidemia - aumento dos níveis de glicídios no sangue.

Dois outros pesquisadores, que não participaram da pesquisa, comentaram seus resultados, ressaltando que, embora esses sejam sinais de síndrome metabólica, que aumenta o risco de ataques do coração, os efeitos de longo prazo do sobre-consumo de frutose sobre a suscetibilidade aos ataques de coração permanecem desconhecidos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Atividades Físicas

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.