Nano-marcapasso é menor que grão de arroz

Nano-marcapassos

O engenheiro eletrônico colombiano Jorge Reynolds Pombo já havia registrado seu nome na história com a invenção do primeiro marcapassos de eletrodos internos, em 1958.

Naquela época, seu equipamento pesava quase 50 quilogramas e precisava da energia de uma bateria de automóvel para funcionar.

Agora ele criou o primeiro nanomarcapassos, um marcapassos que mede o equivalente a um terço de um grão de arroz.

E com uma grande vantagem: o aparelho ultra-miniaturizado não usa baterias.

Marcapassos sem bateria

Reynolds lidera um grupo de pesquisas, chamado Acompanhamento do Coração Via Satélite, ligado ao governo da Colômbia e que tem como colaboradores o Instituto de Tecnologia de Taiwan e várias universidades dos Estados Unidos e da Europa.

O instituto taiwanês foi o responsável por fabricar o dispositivo, com um nível de miniaturização extremo.

Com essas dimensões, o nanomarcapassos pôde dispensar as baterias, e usará um sistema de coleta de energia que será gerada pelo próprio movimento do coração.

Um sistema de conexão wireless, chamado RFID, permite que o aparelho envie seus dados para o computador do médico, sem qualquer conexão direta com o nanomarcapassos.

Preço do marcapassos

O aparelho está em estágio de aprimoramento tecnológico para a miniaturização, e ainda não foi testado. Os testes com animais estão agendados para os próximos meses.

Reynolds afirmou que sua expectativa é que o aparelho possa ser implantado em humanos dentro de cinco anos.

Se fosse vendido hoje, o marcapassos super-miniaturizado teria um preço ao redor de US$ 1 mil.

Um marcapassos vendido hoje, que é muito maior e precisa ter sua bateria trocada regularmente, custa por volta de US$12 mil.


Ver mais notícias sobre os temas:

Equipamentos Médicos

Coração

Nanotecnologia

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.