Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

08/10/2012

Nova forma de combater colesterol alto derruba teorias

Redação do Diário da Saúde
Nova forma de combater colesterol alto derruba teorias
Quandos os macrófagos absorvem grandes quantidades de colesterol eles se transformam em macrófagos espumosos, por conterem múltiplas gotas de lipídios, que aparecem em vermelho na imagem.[Imagem: Marten Hoeksema/University of Amsterdam]

Nova teoria sobre arteriosclerose

A arteriosclerose - o endurecimento das artérias, a principal causa de doenças cardiovasculares e morte - tem sido considerada uma consequência de interações complexas entre o excesso de colesterol e as inflamações que esse excesso causa no coração e nos vasos sanguíneos.

No entanto, uma equipe congregando especialistas de várias universidades dos Estados Unidos afirma agora que essa relação não é exatamente o que parece.

Na verdade, um precursor do colesterol tem um papel oposto, suprimindo genes da resposta inflamatória.

A boa notícia é que essa molécula precursora pode fornecer um novo alvo para medicamentos destinados a tratar a arteriosclerose - ou aterosclerose.

Macrófagos espumosos

Células do sistema imunológico chamadas macrófagos (do grego "grandes comedores"), cuja função essencial é consumir outras células ou matéria identificada como estranha ou perigosa, patrulham constantemente nossas paredes arteriais.

"Quando elas fazem isso, isto significa que elas consomem o depósito de colesterol de outras células," explica Christopher Glass, da Universidade da Califórnia. "Como resultado, elas desenvolveram formas eficazes de metabolizar o excesso de colesterol e livrar-se dele."

Mas alguns macrófagos não descartam adequadamente o excesso de colesterol, permitindo que ele se acumule dentro delas mesmas como gotas de lipídios espumosos, o que dá as essas células seu nome muito peculiar: células espumosas ou macrófagos espumosos.

Esses macrófagos espumosos produzem moléculas que ativam outras células do sistema imunológico, sinalizando para determinados genes que iniciem uma resposta inflamatória.

Invertendo a teoria

O Dr. Glass afirma que os cientistas têm assumido que as lesões ateroscleróticas - aglomerados de macrófagos espumosos repletos de gordura concentrados dentro das paredes arteriais - são uma consequência prejudicial de uma associação crescente entre a acumulação de colesterol e a inflamação.

Mas eles e seus colegas fizeram duas descobertas inesperadas que desestruturam essas suposições sobre como as lesões ateroscleróticas se formam e como a aterosclerose pode ser mais eficazmente tratada.

"A primeira é que a formação de macrófagos espumosos suprime a ativação de genes que promovem a inflamação. Isso é exatamente o oposto do que achávamos que acontecia," disse Glass.

"Em segundo lugar, identificamos uma molécula que ajuda os macrófagos normais a gerir o equilíbrio do colesterol. Quando o colesterol é abundante, ela liga uma via celular para se livrar do colesterol e desliga as rotas que produziriam mais colesterol."

Desmosterol

A molécula é o desmosterol - o precursor final na produção de colesterol, que as células fabricam e usam como um componente estrutural das suas membranas.

O pesquisador explica que, nas lesões ateroscleróticas, a função normal do desmosterol parece estar "avariada".

"Esta é a próxima coisa a estudar, por que isso acontece," disse Glass, levantando a hipótese de que a causa pode estar ligada a sinais pró-inflamatórios muito fortes vindos de proteínas chamadas receptoras do tipo Toll, localizadas em macrófagos e outras células que, como os macrófagos, são elementos críticos do sistema imunológico.

A identificação da capacidade do desmosterol para reduzir o colesterol dos macrófagos dá aos cientistas um novo alvo potencial para a redução do risco de aterosclerose.

Contra os efeitos colaterais

Já existe uma molécula sintética similar ao desmosterol, embora de triste história.

Na década de 1950, os cientistas desenvolveram uma droga chamada triparanol, que inibia a produção de colesterol, aumentando os níveis de eficácia do desmosterol.

A droga foi vendida como um medicamento para doenças do coração, mas foi logo banida do mercado por causar efeitos colaterais graves, incluindo a cegueira gerada por uma forma incomum de catarata.

"Nós aprendemos muito nesses 50 anos," propõe Glass. "Talvez haja um caminho agora para criar uma nova droga que imite a inibição do colesterol, sem os efeitos colaterais."


Ver mais notícias sobre os temas:

Sistema Circulatório

Sistema Imunológico

Dietas e Emagrecimento

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento