Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

10/12/2012

Pesquisadores apresentam novidades para pessoas com deficiência

Redação do Diário da Saúde

Tecnologias assistivas

Uma bengala que identifica poças de água; mouses adaptados e de baixo custo para facilitar o manuseio de computadores por pessoas com dificuldades físicas ou motoras; órteses mais leves e confortáveis; programas voltados para a área de acessibilidade virtual e para a prevenção de doenças oculares.

É o que os visitantes puderam ver no estande do Centro Nacional de Referência em Tecnologia Assistiva (CNRTA), durante a 3ª Conferência Nacional das Pessoas com Deficiência, realizada em Brasília.

O estande reúne projetos e o resultado de pesquisas núcleos que compõem a Rede Cooperativa de Pesquisa Desenvolvimento e Inovação em Tecnologia Assistiva, composta por 29 instituições de todo o país.

O novo centro é uma das ações previstas no âmbito da ciência, tecnologia e inovação do Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Viver sem Limite, do governo federal.

Bengala e acionadores

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS/Bento Gonçalves), levou para o evento a bengala que identifica poças de água e alerta o usuário por meio de um sistema eletrônico de vibração instalado na ponteira.

Outras novidades incluem a central de automação residencial, um mouse de botão e diversos modelos de acionadores.

Esses acionadores, adaptados ao mouse, foram construídos com materiais simples como bolas de borracha, CDs, papel alumínio e frutas, substituem funções como a do clique de maneira a aproveitar o movimento voluntário do usuário.

"São acionadores de baixo custo que podem ser usados com dispositivos que já estão no mercado e podem ser produzidos por qualquer pessoa, mesmo sem o conhecimento de eletrônica", explicou o técnico de informática Rodrigo Cainelli.

Palmilha e órtese

O núcleo de tecnologia assistiva da Universidade de Brasília (UnB) apresentou tecnologias como a palmilha sensível à pressão, um software que sinaliza a desocupação de leitos em hospitais e vídeos com legendas e audiodescrição para pessoas com deficiência auditiva e visual, respectivamente.

Já o núcleo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) apresentou dois projetos inovadores: uma órtese funcional com materiais leves para auxiliar no movimento das mãos e o Programa Bom Começo, que visa implantar em escolas públicas o diagnóstico da saúde visual e o posterior encaminhamento dos estudantes a especialistas.

"É um projeto de detecção para atuar antes das crianças se tornarem deficientes. Alguns problemas oculares, se identificados precocemente, podem ser tratados", justifica a coordenadora do programa, Clarissa Mendes.


Ver mais notícias sobre os temas:

Equipamentos Médicos

Próteses

Robótica

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?