Pais: eles são realmente importantes na criação dos filhos?

A cultura ocidental enfatiza muito a importância da mãe para a criação dos filhos.

E muitos estudos científicos atestam a importância dessa relação.

Mas muito pouco se fala ou se pesquisa sobre a importância de um pai para o desenvolvimento das crianças.

Francis Bambico e Gabriella Gobbi, da Universidade McGill (Canadá), resolveram colocar de lado o preconceito e comparar o efeito sobre os filhos da criação sem a presença do pai.

Além dos efeitos comportamentais, a dupla analisou imagens cerebrais dos filhos envolvidos em busca de sinais biológicos das eventuais diferenças.

Eles verificaram que a ausência de um pai durante os períodos críticos de crescimento resulta no comprometimento do desenvolvimento das habilidades sociais e comportamentais das crianças, que vão apresentar esses problemas na fase adulta.

Controle familiar

Segundo a Dra. Gobbi, este é o primeiro estudo a vincular o absenteísmo do pai com atributos sociais e correlacioná-lo com mudanças físicas no cérebro.

Como seria muito difícil e demorado acompanhar várias crianças até a fase adulta, a equipe usou animais de laboratório em sua pesquisa.

"Embora tenhamos usado camundongos, os resultados são extremamente relevantes para os seres humanos," diz ela.

Isso porque é possível controlar o ambiente e equalizar os fatores que diferem nas diversas famílias - nos humanos seria impossível controlar todas as influências durante o desenvolvimento.

"Nós usamos camundongos Califórnia que, como nas populações humanas, são monogâmicos e criam sua prole juntos," acrescentou Bambico.

Filhos sem pai

Os filhotes criados sem pai apresentaram interações sociais anormais e se tornaram mais agressivos do que aqueles criados por um pai e uma mãe.

Estes efeitos foram mais fortes entre as fêmeas do que entre seus irmãos.

As fêmeas criadas sem pais também apresentaram maior sensibilidade a uma droga estimulante, a anfetamina.

Nos filhotes privados dos pais foram identificadas anomalias no córtex pré-frontal, uma parte do cérebro que ajuda a controlar a atividade social e cognitiva.

"Os déficits comportamentais que observamos são consistentes com estudos humanos de crianças criadas sem um pai," disse a Dra. Gobbi. "Estas crianças apresentam um maior risco de comportamentos desviantes e, em particular, as meninas apresentam risco de abuso de substâncias. Isto sugere que estes camundongos são um bom modelo para a compreensão de como estes efeitos surgem em seres humanos."


Ver mais notícias sobre os temas:

Relacionamentos entre Pais e Filhos

Relacionamentos

Gênero

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.