O paradoxo da carne: O que você está realmente comendo?

Negação

O processo de comer carne parece envolver um aspecto psicológico mais complexo do que se imaginava.

Garantindo de antemão não ser vegetariano, Jonas Kunst, da Universidade de Oslo (Noruega), verificou que nós damos nomes às carnes que as distanciam da sua origem animal como forma de negação.

Todas as vezes que os pratos são associados - por palavras ou imagens - aos animais de onde se originaram, diminui a propensão das pessoas em consumi-los.

"A apresentação da carne pela indústria influencia a nossa vontade de comê-la. Nosso apetite é afetado tanto pelo que chamamos 'o prato' que comemos, quanto por como a carne nos é apresentada," disse Kunst.

Carne ou animal?

O paradoxo da carne: Você está comendo carne ou um animal?
Qual desses pratos é mais apetitoso?
[Imagem: Kunst & Hohle]

Os pesquisadores apresentaram aos voluntários diversos pratos, como filés de frango e frangos inteiros, carne de porco e porco assado inteiro, e imagens em que os animais assados apareciam com e sem cabeça - e mediram a associação e a empatia dos voluntários com os animais.

Em cada caso, eles também perguntaram aos participantes se queriam comer a refeição ou preferiam escolher uma alternativa sem carne - nenhum dos participantes era vegetariano.

Sempre que a associação com o animal era direta ou mais fácil, diminuía a propensão dos voluntários em optar pelo prato com carne.

"Carnes altamente processadas tornam mais fácil distanciar-se da ideia de que se trata de um animal. Os participantes também sentiram menos empatia com o animal. O mesmo mecanismo ocorreu com o porco assado decapitado. As pessoas pensavam menos sobre ele ser um animal, sentiram menos empatia e menos nojo, e se mostraram menos dispostas a optar por uma alternativa vegetariana," escreveram os pesquisadores.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Emoções

Ética

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.