Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

20/05/2016

Passeios na natureza não fazem bem para todas as pessoas

Redação do Diário da Saúde

Passeio no campo ou na cidade

O que você deve fazer depois de um dia difícil ou de uma semana cansativa no trabalho?

Fazer uma caminhada por ambientes bucólicos na natureza, em busca de paz e inspiração, pode parece uma receita sem contra-indicações.

Na verdade, embora de fato isso não faça mal para a maioria, muitas pessoas não se beneficiarão desse passeio.

Em vez disso, pessoas que são mais propensas à ansiedade deveriam dar um passeio em ambientes agitados, tipicamente urbanos.

O que lhe dá ansiedade?

"A literatura científica afirma que os ambientes naturais tendem a restaurar as capacidades cognitivas melhor do que os ambientes urbanos, mas nós colocamos em dúvida se essa perspectiva unilateral estaria precisa," justifica Kevin Newman, do Providence College (EUA).

De fato, os experimentos com voluntários mostraram que as pessoas com tendência a uma personalidade neurótica - que sucumbem cronicamente ante os conflitos - são mais propensas a restaurar suas habilidades cognitivas em um ambiente frenético e urbano, em vez de em um ambiente tranquilo e natural.

Já as pessoas sem a tendência ao neurotismo restauraram melhor suas forças no ambiente calmo e natural.

Depois de realizar tarefas que geravam ansiedade, os voluntários foram submetidos a vivências em laboratório que lembravam ambientes naturais e urbanos. Surpreendentemente, os resultados revelaram que as pessoas com personalidades neuróticas restauraram suas capacidades cognitivas depois de terem vivenciado aspectos de um ambiente urbano agitado. Vivências relacionadas com a natureza, no entanto, foram mais benéficas para as pessoas que geralmente não apresentam tendências neuróticas.

Passeios virtuais

Na verdade, talvez as pessoas neuróticas não necessariamente precisem ir a um ambiente urbano agitado para restaurar-se mentalmente: bastou que elas lessem e pensassem sobre palavras como "urso", "precipício" e "trovão" para que começassem a relaxar.

Da mesma forma, as pessoas com baixa tendência neurótica se revitalizaram mentalmente visualizando lugares calmos típicos de uma cidade, como uma livraria ou uma biblioteca.

"As pessoas tendem a se sair melhor em ambientes que se encaixam com a sua personalidade," disse Newman. "Imagine alguém com uma personalidade neurótica como Woody Allen. Se você colocá-lo em uma floresta isso poderá ser muito desagradável, em vez de rejuvenescedor".


Ver mais notícias sobre os temas:

Comportamento

Emoções

Trabalho e Emprego

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão