Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

24/04/2012

Especialista relata estado das pesquisas sobre fibromialgia e dores crônicas

Com informações de Marilúcia Leal - UFBA

Tipos de dor

Denominamos dor o que sentimos após uma pancada, ou quando um objeto perfura nossa pele, mas também quando a saudade de alguém ou a tristeza suga nossas forças.

Mas e quando a dor passa a não ter um ponto de origem específico e, além disso, a ocorrer de forma intensa e ininterrupta?

Essas são as principais características da fibromialgia, uma síndrome que faz referência a uma condição dolorosa generalizada e crônica.

Especialista no assunto, o Dr. Pedro Montoya, da Universidade das Ilhas Baleares (Espanha) esteve na Universidade Federal da Bahia, trazendo as últimas novidades sobre a fibromialgia e as dores crônicas em geral.

Aliviar, e não suportar

Montoya explicou os principais efeitos causados pela fibromialgia no cérebro.

Ao receber qualquer estímulo do, o cérebro ativa as defesas pessoais e autoriza a liberação de hormônio que ajudará a aliviar os constrangimentos dolorosos.

Segundo o pesquisador, o problema surge quando tais estímulos passam a ser frequentes.

"Quanto mais o cérebro for castigado pela dor, mais dificuldade terá em realizar as funções delegadas a ele. Por isso, é de extrema importância procurar métodos para aliviar as dores, e não suportá-las," alerta o pesquisador.

Desconexão entre sensação e corpo

Estudos demonstram que a atividade cerebral de um paciente diagnosticado com a fibromialgia interpreta informações cotidianas de maneira equivocada.

"Há uma relação desnivelada entre o estímulo e a sensação da dor. Tocar levemente a pele de um paciente com dor crônica pode desencadear um quadro generalizado, já que não há relação direta entre a sensação e o corpo," afirmou Montoya.

Alterações no ritmo das passadas e no equilíbrio, disparidade na compreensão das emoções pessoais e alheias - situação que pode interferir diretamente no convívio em sociedade - também são consequências da doença reveladas pela pesquisa de Montoya, ainda em andamento.

"O cérebro de um paciente com a doença interpreta expressões de alegria e tristeza de maneira muito próximas", completa.

Causas da fibromialgia

As causas para o desenvolvimento da doença é o maior desafio para Montoya e, neste caso, todo o estudo se volta para esse fim.

Segundo ele, só a descoberta das causas poderá dar subsídios para o desenvolvimento de trataremos eficazes.

O que se sabe até o momento é que a experiência da dor surge da atividade cerebral e é modulada por diversos fatores bio-psico-sociais (genéticos, hormonais, cognitivos, emocionais, sociais, culturais), além da comprovação das alterações que ocorrem em tal atividade.

Complexidade da dor

O pesquisador chama atenção para a condição de complexidade da dor, reforçando o aspecto de que a mesma não é algo estático, mas que muda com o tempo.

Para ele, responder questões como localização e intensidade não são suficientes para nenhum tipo de diagnóstico que a tenha como principal sintoma.

Esses aspectos são imprescindíveis, entretanto, não podem limitar as investigações. "É necessário compreender a dinâmica da dor e como ela varia a - e na - atividade cerebral", defende.


Ver mais notícias sobre os temas:

Dores Crônicas

Cérebro

Emoções

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão