Você está pronto para engolir uma pílula eletrônica?

Pílula robótica é lançada em código aberto
Os módulos permitem a montagem de pílulas robóticas para as mais diversas funções dentro do corpo humano.
[Imagem: Heidi Hall, Vanderbilt University]

Comprimido eletrônico

Pequenos robôs capazes de entrar no corpo humano e curar doenças ainda estão distantes da realidade.

Mas a chance de você engolir uma cápsula robótica em um futuro próximo agora aumentou dramaticamente.

Engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos EUA, lançaram em sistema de código aberto (open-source) o projeto - hardware e software - de uma "pílula robótica".

O objetivo é que equipes de pesquisa de todo o mundo não precisem mais começar do zero, concentrando esforços na funcionalidade das pílulas robóticas para aplicações específicas em saúde.

Pílula open-source

Os módulos de hardware lidam com a computação, comunicação sem fio, alimentação, detecção e atuação. Cada módulo foi projetado para ser facilmente interfaceado com tecnologias em desenvolvimento por outros grupos de pesquisa.

No lado do software, a equipe usa o TinyOS, sistema operacional livre, para desenvolver rotinas reutilizáveis.

"Nós projetamos cápsulas customizadas - uma para o cólon, uma para o estômago e outra com um grampo para parar hemorragias - mas vimos que estávamos basicamente reutilizando os mesmos componentes," disse o professor Pietro Valdastri.

"É como montar blocos de Lego, você pode remontá-los para diferentes funções. Nós queremos oferecer às pessoas trabalhando nesse campo nossos blocos Lego para que elas montem suas próprias cápsulas," acrescentou.

O kit completo das cápsulas robóticas foi disponibilizado na plataforma GitHub.

Fonte: Pílula robótica é lançada em código aberto


Ver mais notícias sobre os temas:

Robótica

Softwares

Biochips

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.