Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

23/01/2012

Pílulas inteligentes mostram sua saúde no celular

Redação do Diário da Saúde
Pílulas inteligentes mostram sua saúde no celular
As informações captadas pela pílula inteligente são transmitidas para o telefone celular do paciente. [Imagem: Proteus Biomedical]

Saúde digital

Estão chegando ao mercado as primeiras "pílulas inteligentes".

A empresa Proteus Biomedical, dos Estados Unidos, anunciou o início da comercialização do seu "produto de saúde digital".

Inicialmente, o comprimido eletrônico começará a ser vendido no Reino Unido, a partir de Setembro.

O que diferencia o chamado comprimido inteligente das cápsulas comuns é que ele contém um chip capaz de monitorar o uso do medicamento e outros indicadores da saúde do paciente.

Uso correto dos medicamentos

Usar adequadamente os medicamentos não é uma questão trivial, sobretudo em condições como a tuberculose, cujo tratamento envolve o desenvolvimento de resistência aos antibióticos, caso a receita não seja seguida até o fim.

A pílula inteligente, chamada Helius, possui sensores que são fabricados no mesmo processo que as cápsulas, no interior das quais vai o medicamento propriamente dito.

Segundo Andrew Thompson, presidente da Proteus, o equipamento foi testado em "centenas de pacientes em várias áreas terapêuticas. Ele foi testado em tuberculose, saúde mental, problemas cardíacos, hipertensão e diabetes".

Pílulas inteligentes mostram sua saúde no celular
Os sensores a bordo dos comprimidos inteligentes são ativados pelo ácido estomacal. [Imagem: Proteus Biomedical]

Comprimido digital

Os sensores a bordo dos comprimidos inteligentes são ativados pelo ácido estomacal.

A energia necessária para fazê-los funcionar é gerada da mesma forma que os experimentos feitos em aulas de ciência, onde dois eletrodos de metal são enfiados em uma batata para produzir eletricidade.

Os eletrodos de metal do sensor são pequenas quantidades de cobre e magnésio.

Saúde no celular

Segundo Thompson, o sinal digital captado pelos sensores é detectado por um pequeno receptor, que precisa ser colocado sobre a pele do paciente, como se fosse um curativo.

Esse receptor funciona também como um sensor adicional, monitorando os batimentos cardíacos, a respiração e a temperatura corporal.

As informações como um todo são transmitidas para o telefone celular do paciente.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Nanotecnologia

Robótica

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão