Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

14/02/2011

Problema no SUS é de gerenciamento, afirmam especialistas

Carolina Pimentel - Agência Brasil

Pesquisa sobre o SUS

A falta de médicos no Sistema Único de Saúde (SUS) está ligada à ausência de uma carreira única e estável e à carência de especialistas na rede pública.

A opinião é do presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Francisco Batista, ao comentar o resultado da pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que avaliou a percepção do brasileiro sobre os serviços do SUS.

A pesquisa constatou que quase a metade dos entrevistados (46,9%) reclamou da falta de médicos na rede pública de saúde, 37,3% apontaram o número reduzido de especialistas e 33% falaram da necessidade de mais médicos nos serviços de urgência e emergência.

Carreira médica

Segundo o presidente do CNS, o atendimento especializado passou, na última década, a ser ofertado, em sua maioria, por meio de clínicas particulares conveniadas ao SUS e pelos planos de saúde, fazendo com que o maior número de profissionais se concentrasse na iniciativa privada.

Além disso, de acordo com Francisco Batista, a falta de uma carreira única e a instabilidade profissional diminui os atrativos para o trabalho na rede pública.

"Apesar de várias secretarias oferecerem altos salários, os médicos não querem ir. A falta de estabilidade é mortal para o SUS. É mais cômodo e interessante trabalhar na rede privada", disse Batista.

Em setembro do ano passado, o Ministério da Saúde instituiu um grupo para estudar um plano de carreira nacional dentro do SUS, com o objetivo de estimular a ida dos profissionais às cidades do interior e periferias das grandes capitais.

Espera pelo SUS

A pesquisa do Ipea mostra também que grande parte dos entrevistados cobra redução no tempo de espera por atendimento nos postos de saúde e para marcar uma consulta na rede pública.

Para Batista, o problema poderia ser amenizado se o atendimento no SUS deixasse de ser centrado na figura do médico. "Já passou da hora de a população ser atendida por outro profissional sem ser o médico, como enfermeiro, psicólogo e fonoaudiólogo", afirmou.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) também comentou, por meio de nota, os dados da pesquisa do Ipea. Para a entidade, o subfinanciamento do sistema de saúde e a falta de uma carreira médica estão na origem dos problemas do SUS.

"Para o CFM, as principais queixas decorrem do crônico subfinanciamento que assola a saúde pública do país e da necessidade de modernização dos instrumentos de gestão. É fundamental a adoção de políticas efetivas de valorização dos profissionais da saúde e de investimentos em infraestrutura na rede de atendimento, entre outros pontos", diz a nota.

Sistema Único de Saúde

Criado em 1988, o Sistema Único de Saúde (SUS), previsto na Constituição Federal, é formado por uma rede de serviços médicos e hospitalares, que inclui consulta médica, cirurgia e distribuição de remédios. Qualquer brasileiro pode usar os serviços do SUS gratuitamente.

A União, os estados e municípios são responsáveis pela gestão do sistema. Historicamente, o governo federal financia metade dos recursos da saúde pública no país e a outra metade fica a cargo dos estados e municípios.

A União formula as políticas de ações, que devem ser implantadas pelos demais entes federativos e a sociedade civil organizada. O governo estadual organiza o atendimento no estado. O município é o principal responsável para entrada dos usuários na rede pública de saúde.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Planos de Saúde

Atendimento Médico-Hospitalar

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Conferência mundial discutirá segurança dos alimentos geneticamente modificados

Chá verde melhora conectividade do cérebro

Vaginas produzidas em laboratório são implantadas em pacientes

Xixi com cloro da piscina faz mal mesmo

Brasil desvaloriza parto normal e sagra-se campeão mundial de cesáreas