Britânico processa a mãe por não protegê-lo das surras do pai

Desentendimento

Um britânico de 32 anos está processando sua mãe por supostamente não protegê-lo das surras de seu pai.

O homem, que não pode ser identificado por razões legais, disse à Justiça que sua vida adulta foi prejudicada por suas experiências vividas na infância, quando seu pai lhe batia com frequência.

Alvo errado

Segundo o homem, seu pai lhe batia com pedaços de pau, com cintos ou com escovões, muitas vezes até dez vezes por dia.

Ele alega que sua mãe teria sido cúmplice na violência do pai e até mesmo teria instigado as surras, que teriam ocorrido no período em que ele tinha entre 5 e 19 anos.

Ele diz ainda que ela, apesar de não ter sido o "torturador" que foi o pai, não cumpriu com seu dever de protegê-lo e deveria ter expulsado o pai de casa.

Castigos razoáveis

A mãe, uma aposentada com 60 e poucos anos, negou as acusações à Justiça e disse que seu filho estava "exagerando".

Ela admitiu ter dado tapas ocasionais no filho, mas disse que eram "castigos razoáveis".

Durante o início do julgamento, o homem afirmou que a preocupação maior da mãe era "tornar a vida doméstica mais fácil" e não o seu bem-estar ou o de seus irmãos.

Terapia mal resolvida

"Eu não diria que minha mãe fez o melhor para me proteger. Eu sempre senti que ela poderia ter feito mais", afirmou.

Ele agora pede à Justiça que a mãe lhe pague uma compensação pelo que sofreu, incluindo 7.800 libras (cerca de R$ 21 mil) que teria gasto com terapia.


Ver mais notícias sobre os temas:

Violência

Relacionamentos entre Pais e Filhos

Emoções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.