Pulmão recondicionado pode dobrar número de órgãos para transplante

Pulmões para transplante

Uma nova técnica desenvolvida no Instituto do Coração (InCor), em São Paulo, poderá dobrar o número de pulmões disponíveis para transplantes.

O método permite recuperar órgãos que normalmente seriam descartados e usá-los em pacientes.

"O transplante de pulmão em que nós conseguimos apenas uma quantidade pequena de órgãos. De cada dez doadores não vivos de rim, nós conseguimos aproveitar um pulmão", disse o chefe de Cirurgia Torácica e Transplante Pulmonar do InCor, Fabio Jatene.

Segundo o médico, isso ocorre porque o órgão respiratório deteriora-se rapidamente: "O pulmão é um órgão que se infecta e acumula líquidos facilmente".

Dobrando os pulmões

Com o novo procedimento, que foi recentemente aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, Jatene espera que o aproveitamento suba de 10% para 15% e até 20% dos órgãos disponíveis. "A nossa expectativa é quase dobrar [o número de transplantes]".

Existem hoje 85 pacientes na fila de espera por um pulmão no estado de São Paulo.

Jatene disse que no ritmo atual para as cirurgias de transplantes de pulmão, a espera pelo atendimento pode durar três anos. "Anualmente nós perdemos uma quantidade importante de pacientes que não conseguem aguentar um tempo tão longo".

Pulmão recondicionado

O médico ressaltou, no entanto, que os pacientes poderão optar por receber um órgão "recondicionado", ou esperar por um pulmão que esteja naturalmente em boas condições.

"Evidentemente que nós vamos informar que o órgão destinado a ele seria um órgão submetido a essa técnica do recondicionamento. Se houver aceitação, será feito [o transplante]", explicou Jatene.


Ver mais notícias sobre os temas:

Transplantes

Cirurgias

Sistema Respiratório

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.