Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

06/06/2014

Não existe um "teste de inteligência universal", dizem pesquisadores

Redação do Diário da Saúde
Métrica dos testes de QI é influenciada pela cultura
Pesquisadores defendem que não existe um teste universal de quociente de inteligência (QI) - os resultados desses testes são determinados por diferenças culturais.[Imagem: University of Granada]

QI cultural

Pesquisadores já haviam alertado que os testes de QI não medem muita coisa.

Agora, novas pesquisas reafirmam: não existe algo como um "teste de inteligência universal".

Isso porque as diferenças culturais determinam os resultados dos testes de QI em pessoas de diferentes origens, afirmam Ahmed Fasfous e seus colegas da Universidade de Granada (Espanha).

Para chegar a essa conclusão eles reuniram 54 voluntários, 27 espanhóis e 27 marroquinos residentes há pouco tempo na Espanha.

Os grupos foram selecionados de forma a garantir que existiam diferenças culturais claras entre eles: eles falam idiomas diferentes (espanhol e árabe), professam religiões diferentes (cristianismo e islamismo), têm tradições diferentes e vieram de diferentes contextos geográficos (Europa e África).

Os dois grupos foram submetidos a diferentes testes de capacidade intelectual, incluindo um teste de inteligência padrão (não-verbal) e vários testes neuropsicológicos que pretendem medir funções como memória visual e funções executivas.

Habilidades culturais

Embora os dois grupos tenham apresentado pontuações semelhantes em termos de sexo, escolaridade e nível socioeconômico, os resultados mostraram que, no teste de inteligência não-verbal, o grupo espanhol obteve uma pontuação de QI maior do que o grupo marroquino.

Mas foram as habilidades neuropsicológicas utilizadas em cada subteste que se mostraram mais claramente dependentes do país de origem de cada participante.

Segundo os pesquisadores, isso mostra que o mesmo teste de QI pode medir diferentes funções cognitivas em pessoas de diferentes culturas.

Eles afirmam que os testes de QI não podem ser considerados como imunes à influência da cultura, e deveriam ser validados em cada contexto cultural antes de permitirem a realização de comparações entre pessoas de culturas diferentes.

Outros estudos já haviam demonstrado que, em um mesmo grupo, o resultado nos testes de QI é influenciado pela motivação dos participantes enquanto realizam os testes - uma mesma pessoa obtém um QI diferente se estiver motivada ou não.

Mais do que isso, ainda que no mesmo contexto cultural, já se demonstrou que a motivação e os hábitos de estudo importam mais do que o QI.


Ver mais notícias sobre os temas:

Concentração

Trabalho e Emprego

Memória

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão