Ricos precisam ajudar pobres para alcançar metas do milênio, diz ministra

Compromissos não cumpridos

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate a Fome, Márcia Lopes, disse nesta terça-feira que é preciso que os países das Nações Unidas reafirmem o compromisso com os objetivos de desenvolvimento do milênio.

"Faltam apenas cinco anos e, se continuarmos nesse ritmo, as metas não serão alcançadas", disse ela em Nova York, onde participou na segunda-feira da Cúpula de Revisão dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) e tem encontros até quarta-feira.

"Os países se comprometeram a colocar até 0,7% do PIB em políticas (sociais) e o cumprimento dos objetivos de desenvolvimento do milênio."

"É preciso que nós assumamos de fato essa responsabilidade, caso contrário os países pobres não poderão cumprir esses objetivos."

O Brasil "vai cumprir os oito objetivos", segundo Márcia.

Pobreza extrema

Segundo uma pesquisa da ONG ActionAid, o Brasil é o país que mais avançou na diminuição da extrema pobreza.

Para Márcia, o objetivo que trata da erradicação da pobreza e da fome "é sem dúvida aquele que o Brasil mais avançou. Tínhamos uma meta de redução de 50% de erradicação da miséria e hoje já superamos essa meta. Em 1990 havia 25,6% e em 2008 temos 4,5% da população brasileira nessa condição."

Márcia diz que o objetivo de desenvolvimento do milênio que o Brasil está mais atrasado trata da desigualdade entre homens e mulheres.

"Embora tenhamos avançado bastante no Brasil na questão de equidade de gêneros, com o ministério de políticas para mulheres e o plano nacional de políticas para mulheres, essa questão não depende só do governante, mas depende fundamentalmente de uma nova compreensão da sociedade, da cultura."

A ministra citou como exemplos a diferença salarial e a violência contra a mulher.

"Essa é uma das metas mais difíceis de serem atingidas."


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Violência

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.