Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

19/02/2015

São Paulo tem 14 casos de leptospirose por semana

Com informações da SES

Segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, no ano passado foram confirmados no estado 729 casos da leptospirose, o que representa média de 14 casos por semana.

A leptospirose é causada por bactérias e transmitida pelo contato de humanos com a urina de roedores urbanos infectados, como ratos de telhado e ratazanas.

Normalmente o contágio acontece por meio da água e da lama das enchentes ou, ainda, de córregos, esgotos, fossas e até mesmo de lagos e represas. Após o contato, a doença pode demorar até 30 dias para se manifestar.

Na fase inicial da doença, o paciente apresenta febre aguda, dores de cabeça e no corpo, especialmente das panturrilhas ("batata" da perna), além de olhos amarelados e urina escura.

Porém, quando o diagnóstico e o início do tratamento não são feitos rapidamente, a doença traz outras complicações como icterícia (pele amarelada) e hemorragias no intestino, nos pulmões, no estômago e nas mucosas.

"A maioria dos casos de leptospirose é branda, mas entre 8% e 10% dos casos acabam evoluindo para um quadro grave, que exige internação em UTI (Unidade de Terapia Intensiva), com alto risco de mortalidade, caso não se estabeleça um diagnóstico rápido", disse o médico infectologista Jean Gorinchteyn, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas.

De acordo com Gorinchteyn, apesar de não existir vacina contra a leptospirose, existem cuidados básicos importantes aos quais todos devem se atentar, especialmente no período de chuvas:

Dez cuidados para evitar a leptospirose

  1. Evite as poças d'água e enxurradas nas calçadas e nas ruas;
  2. Se a chuva "apertar", não se arrisque. Procure um local alto e seguro e tente esperar o nível da água abaixar;
  3. Não atravesse enxurradas e não se exponha à água suja caso comece uma inundação;
  4. Jamais permita que as crianças brinquem com as poças e canaletas de escoamento da água, muito menos com água de enchente;
  5. Se for nadar em córregos, lagos ou represas, fique sempre atento à higiene do ambiente e evite os mergulhos caso haja lixo nas proximidades;
  6. Se tiver contato com água de inundação, o ideal é procurar por atendimento em unidades de saúde;
  7. Se não for possível ir ao médico, fique atento em relação aos possíveis sintomas e caso tenha algum deles, procure imediatamente um serviço de saúde e relate o que aconteceu;
  8. Se sua casa (ou seu carro) for inundada (o), o ideal é deixá-la (lo) para trás até que a água saia por completo.
  9. É fundamental utilizar luvas e botas de borracha para realizar uma higienização detalhada e completa, com água sanitária, de tudo o que teve contato com a água suja;
  10. Alimentos e medicações que estão em ambientes de inundação devem ser descartados, mesmo que a embalagem não tenha sido violada;


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Contaminação

Higiene Pessoal

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento