Secretaria da Saúde lança alerta sobre risco de AVC em crianças

Derrame em crianças

A Secretaria da Saúde de São Paulo lançou um alerta, voltado principalmente para os pais, sobre o risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC), mais conhecido como derrame, em crianças.

Apesar de ser um problema que acomete, na maior parte dos casos, pessoas adultas, há risco também para os pequenos. Em 2008, foram registrados 266 casos, com 28 óbitos e, em 2009, foram 177, entre crianças até 14 anos de idade.

Como ocorre o derrame

O AVC ocorre quando há uma interrupção do fluxo sanguíneo para determinada área do cérebro, provocando um infarto ou hemorragia.

Em 90% dos casos algum membro do corpo pára de funcionar.

Existem dois tipos de Acidente Vascular Cerebral, o isquêmico e o hemorrágico.

O isquêmico é mais comum, em que há uma interrupção da passagem do fluxo sanguíneo para uma determinada área do cérebro.

O AVC hemorrágico geralmente é o mais grave, quando acontece o derrame cerebral, no qual, além da obstrução, existe vazamento de sangue. As sequelas podem ser reversíveis, como num AVC isquêmico pequeno ou podem deixar sequelas neurológicas importantes. O tratamento é baseado na reabilitação multidisciplinar com fisioterapia, psicologia e outros tratamentos.

Prevenção do derrame em crianças

"Não existe prevenção para o AVC na população infantil. Algumas crianças fazem parte de grupo de risco para o AVC, como portadores de anemia falciforme, cardiopatias congênita, hipercolesterolemia e diabetes. Os fatores de risco da doença na infância são diferentes dos casos em adultos ( hipertensão arterial, obesidade, infarto)", afirma o neuropediatra do Hospital Infantil Darcy Vargas, Paulo Breinis.

Os sintomas mais frequentes são: diminuição da força muscular, que pode ser localizada ou generalizada, perda da consciência, defeito no campo visual, dificuldade na fala, dor de cabeça, convulsão, entre outros.

"Após o primeiro episódio, é realizada uma extensa investigação (laboratorial e neurorradiológica) para determinar-se a causa. O grande objetivo é que, se soubermos a causa, temos como evitar a repetição do evento AVC. A investigação sobre as causas do AVC na infância é fundamental. Mesmo assim, apesar de todo aparato médico, científico e tecnológico, ficamos sem saber o que realmente ocorreu em cerca de 30% dos casos.", completa Dr. Paulo Breinis.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com a Família

Prevenção

Cérebro

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.