Diabéticos poderão medir glicose no fluido lacrimal

Trocando a dor pelas lágrimas

Pesquisadores norte-americanos desenvolveram um sensor que substitui a picada no dedo hoje utilizada pelos pacientes de diabetes para coletar sangue, por uma coleta de fluido lacrimal.

A quantidade de lágrima necessária é mínima, não sendo necessário dar uma picada no dedo para chorar.

Segundo os pesquisadores, a glicose no fluido lacrimal dá uma indicação dos níveis de glicose no sangue com uma precisão tão grande quanto uma análise direta de uma amostra de sangue, dizem os pesquisadores.

Sensor de glicose

"O problema com as atuais tecnologias de monitoramento da glicose no sangue não é tanto o sensor. É a dor da picada no dedo que faz as pessoas relutarem em realizar o teste," diz o Dr. Jeffrey LaBelle, da Universidade do Estado do Arizona.

"Esta nova tecnologia pode encorajar os pacientes a verificar seu açúcar no sangue mais frequentemente, o que pode levar a um melhor controle do seu diabetes com um simples toque nos olhos," afirma.

O sensor deve ser posto em contato com o canto do olho, onde ele absorve uma pequena quantidade de fluido lacrimal, que é suficiente para medir a glicose.

O novo sensor mede o então nível de glicose no sangue a partir desse fluido lacrimal.

Velocidade do sensor

O maior desafio foi aumentar a velocidade do exame, para que o teste seja feito antes que o fluido lacrimal evapore do coletor.

Isto é essencial para que o sensor funcione com a umidade natural do olho, sem que a pessoa precise derramar uma torrente de lágrimas.

Os cientistas estão atualmente coletando dados estatísticas das amostras em busca da autorização para os primeiros testes em larga escala. Só depois disso é que o novo sensor poderá ser comercializado.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sensores

Exames

Biochips

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.