Ser ignorado dói, mesmo por um estranho

Ser ignorado dói, mesmo por um estranho
O cumprimento "Eu vejo você" parece ser muito forte também entre humanos.
[Imagem: Cortesia de 20th Century Fox]

Inclusão pelo olhar

Sentir-se como parte do grupo é algo crucial para a experiência humana.

Todas as pessoas sentem-se estressadas quando são deixadas de lado.

Por outro lado, essa "inclusão social" parece ser algo extremamente sutil.

Pesquisadores descobriram que a sensação de inclusão pode vir de algo tão simples quanto um olhar, mesmo vindo de um estranho.

Poder do olhar

Os psicólogos documentaram há tempos que as pessoas que se sentem conectadas a outras sentem-se mais felizes.

O que o Dr. Eric Wesselmann, da Universidade Purdue (EUA) queria saber era o que é minimamente necessário para que uma pessoa sinta-se conectado a um grupo.

Os experimentos mostraram que não é necessário nem mesmo sorrir para que o outro sinta-se incluído no grupo: basta um olhar.

O oposto também é verdadeiro: para fazer uma pessoa sentir-se ignorada, basta "passar os olhos" em sua direção como se ela não estivesse lá.

Conexão humana

O que mais impressionou nos experimentos é que as pessoas relataram estar se sentindo deixadas de lado mesmo por grupos com os quais elas não queriam nenhum contato - na simulação, a Ku Klux Klan.

"Essas pessoas que você não conhece, mas que passam por você e olham como se você fosse puro ar, têm pelo menos um efeito momentâneo," diz o pesquisador.

"O que nós achamos mais interessante sobre isso é que agora podemos realmente falar do 'poder da conexão humana'. Ele parece ser um fenômeno muito forte," conclui Wesselmann.


Ver mais notícias sobre os temas:

Relacionamentos

Comportamento

Sentimentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.